O dissídio de Baleiro (fabricação) 2024 já saiu. Veja aqui o salário mínimo, piso salarial e salário médio em todos os estados, capitais e principais cidades brasileiras de acordo com a convenção coletiva, acordo coletivo ou dissídio do sindicato de profissionais registrados em carteira com o CBO 841810 no cargo de Baleiro (fabricação).

Estado com maior salário médio

São Paulo

R$ 2.169,02

(últimos 12 meses)

Estado que mais contrata

São Paulo

5.055 admissões

(últimos 12 meses)

Cidade com maior salário médio

Caçapava - SP

R$ 3.256,22

Cidade que mais contrata

Uberlândia - MG

528 admissões

Descrição sumária do cargo

O colaborador no cargo de Operador de máquinas de fabricação de doces, salgados e massas alimentícias opera máquinas de fabricação de doces, salgados e massas alimentícias em linhas de produção industrial Planeja o trabalho, seguindo ordem de serviço.

Interpreta as receitas e os procedimentos de execução Aplica medidas e ações previstas em boas práticas de fabricação (BPF) da indústria alimentícia Cumpre legislação sanitária, normas técnicas, normas de higiene na manipulação de alimentos, normas de qualidade e normas regulamentadoras de saúde e segurança no trabalho e de preservação ambiental.

O que faz um Baleiro (fabricação)

O Operador de máquinas de fabricação de doces, salgados e massas alimentícias prepara as atividades, de acordo com ficha técnica, ordem de serviço e programação da produção Seleciona utensílios, instrumentos, matérias-primas e insumos, de acordo com as especificações do processo e dos produtos.

Inspeciona as condições operacionais de máquinas e equipamentos.

Interpreta as receitas e os procedimentos de execução, determinando as proporções requeridas Efetua as medidas de massa, volume e temperatura das matérias-primas e dos demais insumos, tais como temperos e conservantes.

Prepara as máquinas e os equipamentos, fazendo a regulagem dos parâmetros de operação e verificando as condições de funcionamento No caso de a receita incluir frutas, legumes ou verduras, realiza a lavagem, seleção por tamanho, cor, maturação e ausência de contaminações aparentes e podridões, corte, descascamento, desintegração, e despolpamento, usando máquinas e equipamentos.

Realiza a desossa, limpeza e porcionamento de produtos cárneos.

Opera máquinas e equipamentos para misturar os ingredientes e homogeneizar a massa Pode modelar, cilindrar e conformar a massa.

Dosa a massa nas formas ou outros recipientes e abastece os equipamentos.

Opera equipamentos de cozimento - inclusive aparelhos de frigir -, controlando a temperatura, o tempo e a pressão Resfria, corta e recheia os produtos, de acordo com as suas características Inspeciona os produtos, separando aqueles que estão com defeitos ou com suspeita de contaminação.

Opera equipamentos de embalagem e etiquetagem Discrimina, na etiqueta, o tipo de produto e outras informações previstas em norma Registra a produção, utilizando formulários próprios e sistemas informatizados.

Mantém a limpeza e a organização do local de trabalho Limpa e higieniza utensílios, instrumentos de trabalho, máquinas e equipamentos.

Destina adequadamente os resíduos e os produtos com defeitos Realiza descarte - inclusive de produtos contaminados - de acordo com as normas ambientais Realiza manutenção produtiva em máquinas e equipamentos, fazendo a substituição de peças desgastadas e lubrificando componentes.

.

Funções do Operador de máquinas de fabricação de doces, salgados e massas alimentícias

O profissional Baleiro (fabricação) deve realizar manutenção produtiva em máquinas e equipamentos, controlar processos e linhas de produção, trabalhar com higiene e segurança, preparar massas alimentícias e recheios, produzir massas alimentícias, doces, salgados, achocolatados e chocolates, demonstrar competências pessoais, realizar testes e inspeções em produtos e embalagens, preparar utensílios, máquinas e equipamentos.

Condições de trabalho da profissão

Operadores de equipamentos na fabricação de pães, massas alimentícias, doces, chocolates e achocolatados atuam na fabricação de produtos alimentares e bebidas como empregados com carteira assinada. Organizam-se em linhas e células de produção, sob supervisão ocasional, em ambientes fechados e no sistema de rodízio de turnos (diurno/noturno). No desenvolvimento de algumas atividades podem permanecer em posições desconfortáveis durante longos períodos e expostos à ação de partículas em suspensão, ruído intenso e altas ou baixas temperaturas.

Exigências do mercado de trabalho para a profissão

Atividades exercidas por um Operador de máquinas de fabricação de doces, salgados e massas alimentícias

Um Operador de máquinas de fabricação de doces, salgados e massas alimentícias deve requisitar manutenção, tomar decisões, pesar ingredientes, modelar massas, desenformar produtos, efetuar análise sensorial de produtos, untar formas, controlar temperaturas, medir acidez de produtos, comprometer-se com as metas da empresa, verificar funcionamento de equipamentos, responsabilizar-se pelo trabalho realizado, descartar produtos suspeitos de contaminação, reestabelecer sincronismo da linha de produção, orientar terceiros quanto à utilização de equipamentos de proteção individual, higienizar-se, reciclar massas, inspecionar visualmente utensílios, máquinas, equipamentos e produtos, assar massas, testar estanqueidade de embalagens de produtos, limpar máquinas, equipamentos e utensílios, adaptar-se às inovações nos processos de trabalho, compartilhar conhecimentos, testar funcionamento de detectores de metais, controlar pressão de equipamentos, separar ingredientes, adaptar-se em ambientes com variações de temperatura, controlar viscosidade de massas, comunicar-se com clareza e objetividade, ajustar sistemas hidráulicos e pneumáticos, dosar massas nas formas, demonstrar iniciativa., homogeneizar massas e líquidos, tarar sistema de balanças, cortar massas, controlar o peso de produtos, coletar amostras para testes laboratoriais, regular parâmetros de operações (temperatura, pressão, vapor), demonstrar sigilo profissional., interpretar receitas, lubrificar máquinas e equipamentos, controlar umidade de produtos, resfriar produtos, regular dosador de líquidos e massas viscosas, montar produtos recheados, utilizar equipamentos de proteção individual, controlar dimensões de produtos, realizar o controle estatístico do processo de fabricação, substituir peças desgastadas, detectar falhas e defeitos em utensílios, máquinas e equipamentos, registrar validade e dados de fabricação de produtos, embalar produtos acabados, trabalhar em equipe, esterilizar máquinas, equipamentos e utensílios, montar componentes de máquinas.

Aumento do piso salarial e reajuste 2024 da categoria

O reajuste salarial 2024 para Baleiro (fabricação) ficou em 4.90%, obedecendo os índices de inflação do INPC - Índice Nacional de Preços ao Consumidor no período de um ano, esse é o critério para estipular o piso salarial 2024 e o início das negociações salariais entre o sindicato dos trabalhadores no cargo de Baleiro (fabricação) e os sindicatos patronais.

Em algumas localidades houve aumento real do salário, ou seja, acima do índice de correção salarial e acima até mesmo do reajuste médio da categoria dos Operadores de equipamentos na fabricação de pães, massas alimentícias, doces, chocolates e achocolatados que ficou em 4.90% para 2024.

Uma observação importante é que nem sempre o aumento salarial do Baleiro (fabricação) em 2024 está atrelado a acordos e convenções coletivas, o salário base pode ser estipulado de acordo com o salário mínimo 2024 ou o piso salarial mínimo regional se houver.

Reajuste e valor do vale refeição 2024

O reajuste médio do vale refeição 2024 para Baleiro (fabricação) ficou em 10.00% de acordo com acordos coletivos, convenções coletivas e dissídios registrados no Sistema de Negociações Coletivas de Trabalho do SRT - Subsecretaria de Relações do Trabalho.

Com isso o valor médio do vale refeição para 2024 observado em instrumentos coletivos de todo Brasil ficou em R$ 25,00 por dia efetivamente trabalhado.

Como é feito o cálculo dos reajustes e pisos salariais dos Operadores de equipamentos na fabricação de pães, massas alimentícias, doces, chocolates e achocolatados 2024

O salário de Baleiro (fabricação) mostrado aqui é resultado do levantamento de 13206 salários em admissões de empresas de todo o Brasil em 2024, além de dissídios, convenções e acordos coletivos da categoria em sindicatos nacionais ou regionais de Operadores de equipamentos na fabricação de pães, massas alimentícias, doces, chocolates e achocolatados que foram registrados no sistema Mediador da Secretaria da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, que registra os instrumentos coletivos.

Encontre o seu estado logo abaixo e saiba quanto ganha um Baleiro (fabricação) com salários atualizados em 2024. A ordem dos salários obedece a sigla dos estados em ordem alfabética. Confira:

Dissídio salarrial de Baleiro (fabricação) CBO 841810 salário

Valor do salário na CCT 2024 de Baleiro (fabricação) em todos os estados

Dados de dissídios coletivos para Baleiro (fabricação) por estado
UF Jornada Piso Média Teto Sal/Hora Dissídio 2024 (%)
São Paulo 44h 2.088,09 2.169,02 3.060,99 9,89 5.30%
Minas Gerais 44h 1.583,45 1.644,82 2.321,21 7,52 6.60%
Rio Grande do Sul 44h 1.811,99 1.882,22 2.656,25 8,60 4.30%
Santa Catarina 44h 1.872,16 1.944,72 2.744,44 8,90 4.80%
Goiás 44h 1.733,73 1.800,92 2.541,51 8,23 7.50%
Paraná 44h 1.945,80 2.021,21 2.852,40 9,28 6.10%
Rio de Janeiro 43h 1.865,14 1.937,43 2.734,16 8,92 4.30%
Espírito Santo 43h 1.786,53 1.855,77 2.618,92 8,55 7.70%
Bahia 44h 1.640,19 1.703,76 2.404,39 7,81 8.00%
Ceará 43h 1.641,74 1.705,37 2.406,67 8,00 8.20%
Pernambuco 44h 1.544,49 1.604,35 2.264,10 7,33 4.80%
Mato Grosso 44h 1.584,04 1.645,43 2.322,08 7,49 6.10%
Pará 43h 1.491,53 1.549,34 2.186,47 7,26 4.30%
Paraíba 44h 1.422,31 1.477,43 2.084,99 6,76 8.20%
Mato Grosso do Sul 44h 1.712,52 1.778,89 2.510,43 8,15 7.00%
Rio Grande do Norte 44h 1.480,81 1.538,20 2.170,76 7,04 4.50%
Distrito Federal 44h 1.719,78 1.786,43 2.521,07 8,12 7.30%
Rondônia 44h 1.471,49 1.528,52 2.157,09 6,99 6.00%
Amazonas 43h 1.371,03 1.424,16 2.009,82 6,55 5.40%
Alagoas 44h 1.421,29 1.476,38 2.083,51 6,74 6.50%
Piauí 43h 1.470,03 1.527,01 2.154,96 7,04 4.30%
Acre 44h 1.414,10 1.468,91 2.072,96 6,68 6.90%
Sergipe 44h 1.386,78 1.440,53 2.032,92 6,57 7.10%
Amapá 44h 1.445,00 1.501,00 2.118,26 6,82 7.80%
Tocantins 43h 1.437,03 1.492,73 2.106,58 6,97 5.90%
Maranhão 44h 1.573,94 1.634,94 2.307,27 7,47 4.60%

Fonte: Dados CAGED, PNAD e instrumentos coletivos registrados no sistema Mediador do Ministério do Trabalho e Emprego que mencionem a profissão de Baleiro (fabricação).

Dissídio de Baleiro (fabricação) por cidade

Quanto ganha um Baleiro (fabricação) nas principais cidades

Salários segundo dados do CAGED e instrumentos coletivos registrados que citem a profissão de Baleiro (fabricação) na localidade
Cidade Carga Horária Piso Salarial Média Salarial Maior Salário Sal/Hora Dissídio 2024 (%)
Uberlândia, MG 44 1.560,56 1.621,05 2.287,67 7,38 6.20%
Gravatai, RS 44 1.733,10 1.800,27 2.540,59 8,18 6.70%
Tatuí, SP 44 1.939,00 2.014,15 2.842,43 9,16 7.70%
Anápolis, GO 44 1.763,82 1.832,18 2.585,63 8,36 5.00%
Jarinu, SP 44 1.684,70 1.749,99 2.469,65 7,95 4.70%
São Lourenco do Oeste, SC 44 2.160,00 2.243,72 3.166,40 10,29 7.10%
Indaiatuba, SP 44 2.007,13 2.084,92 2.942,31 9,48 7.10%
São Paulo, SP 43 2.042,74 2.121,91 2.994,50 9,76 5.90%
Ribeirão Preto, SP 44 2.259,27 2.346,84 3.311,92 10,68 6.70%
Guararema, SP 44 2.245,38 2.332,41 3.291,56 10,60 4.30%
Campinas, SP 44 2.036,27 2.115,19 2.985,02 9,63 4.90%
Lajeado, RS 44 1.795,33 1.864,91 2.631,82 8,57 7.70%
Marilia, SP 44 2.472,96 2.568,80 3.625,17 11,68 8.20%
Itatiba, SP 44 2.182,10 2.266,67 3.198,79 10,30 6.80%
Rio de Janeiro, RJ 43 1.992,48 2.069,70 2.920,83 9,58 6.20%
Araras, SP 44 2.596,22 2.696,85 3.805,87 12,32 5.90%
Contagem, MG 44 1.786,13 1.855,36 2.618,33 8,44 8.10%
Franca, SP 44 2.144,28 2.227,39 3.143,36 10,16 4.70%
Tapejara, RS 44 1.873,15 1.945,75 2.745,90 8,84 5.90%
Vila Velha, ES 44 2.279,98 2.368,35 3.342,28 10,77 5.30%
Belo Horizonte, MG 44 1.495,61 1.553,57 2.192,45 7,13 6.90%
Osasco, SP 44 2.072,57 2.152,90 3.038,23 9,81 4.90%
Icara, SC 44 1.647,88 1.711,74 2.415,66 7,78 7.20%
Caçapava, SP 44 3.134,73 3.256,22 4.595,28 14,81 6.80%
Mirassol, SP 44 1.931,84 2.006,72 2.831,94 9,12 7.00%
Rolândia, PR 44 2.173,45 2.257,68 3.186,11 10,34 4.80%
Rio Claro, SP 44 2.354,78 2.446,04 3.451,93 11,12 5.20%
Mogi-Mirim, SP 44 2.230,74 2.317,20 3.270,10 10,53 4.30%
Eusébio, CE 41 1.733,46 1.800,65 2.541,13 8,80 5.20%
Montes Claros, MG 44 1.889,62 1.962,86 2.770,05 8,92 7.60%

Os valores de piso salarial e porcentagem de dissídio referem-se a média observada em instrumentos coletivos registrados no sistema Mediador do Ministério do Trabalho e Emprego com abrangência na cidade ou na região e que citem a profissão de Baleiro (fabricação). Instrumentos coletivos: Acordos, convenções ou dissídios coletivos.

Empresas que mais contratam Baleiro (fabricação) no Brasil

Pisos salariais por setores das empresas
Segmento Piso Média Teto Dissídio 2024 (%)
Fabricação de produtos de panificação industrial 1.839,40 1.910,69 2.696,43 5.50%
Fabricação de massas alimentícias 1.806,55 1.876,57 2.648,27 8.10%
Fabricação de biscoitos e bolachas 2.002,80 2.080,43 2.935,96 7.80%
Fabricação de produtos derivados do cacau e de chocolates 2.105,54 2.187,14 3.086,56 4.70%
Fabricação de outros produtos alimentícios 1.954,13 2.029,86 2.864,60 6.00%
Fabricação de frutas cristalizadas, balas e semelhantes 1.966,16 2.042,36 2.882,24 4.70%
Fabricação de alimentos e pratos prontos 1.609,54 1.671,92 2.359,46 7.00%
Fabricação de produtos de padaria e confeitaria com predominância de produção própria 1.637,39 1.700,85 2.400,30 7.80%
Padaria e confeitaria com predominância de revenda 1.610,87 1.673,31 2.361,42 6.70%
Lanchonetes, casas de chá, de sucos e similares 1.626,76 1.689,81 2.384,71 5.70%
Moagem de trigo e fabricação de derivados 2.030,32 2.109,01 2.976,30 5.40%
Locação de mão-de-obra temporária 1.973,85 2.050,35 2.893,51 5.90%
Fabricação de laticínios 2.430,56 2.524,76 3.563,02 7.40%
Fabricação de alimentos para animais 2.241,68 2.328,56 3.286,13 7.70%
Fabricação de conservas de frutas 1.691,24 1.756,79 2.479,23 5.30%
Restaurantes e similares 1.672,26 1.737,08 2.451,41 4.50%
Fabricação de farinha de milho e derivados, exceto óleos de milho 1.858,10 1.930,12 2.723,84 8.20%
Fabricação de produtos de carne 1.892,61 1.965,96 2.774,43 7.30%
Fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para consumo domiciliar 1.660,83 1.725,20 2.434,66 5.90%
Fabricação de pós alimentícios 2.225,64 2.311,90 3.262,63 4.60%
Fonte: Contratações formais indicadas pelas empresas ao sistema Novo CAGED e convenções coletivas patronais.