O dissídio de Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos) 2024 já saiu. Veja aqui o salário mínimo, piso salarial e salário médio em todos os estados, capitais e principais cidades brasileiras de acordo com a convenção coletiva, acordo coletivo ou dissídio do sindicato de profissionais registrados em carteira com o CBO 991115 no cargo de Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos).

Estado com maior salário médio

Amazonas

R$ 3.173,00

(últimos 12 meses)

Estado que mais contrata

São Paulo

711 admissões

(últimos 12 meses)

Cidade com maior salário médio

Salgueiro - PE

R$ 4.521,03

Cidade que mais contrata

Belo Horizonte - MG

272 admissões

Descrição sumária do cargo

O colaborador no cargo de Operador de máquinas especiais em conservação de via permanente (trilhos) opera máquinas especiais em atividades de conservação e manutenção de vias permanentes, movimentando materiais diversos, executando a correção da geometria da via, efetuando a substituição de lastro contaminado por lastro tratado, e realizando esmerilhamento para ações preventivas e corretivas em trilhos Elabora relatório sobre ocorrências, horas de trabalho e atividades realizadas.

Providencia manutenção de máquinas e equipamentos Cumpre legislação, procedimentos, normas regulamentadoras de navegação no transporte de pessoas e cargas e normas regulamentadoras de saúde e segurança no trabalho e de preservação ambiental

O que faz um Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos)

O Operador de máquinas especiais em conservação de via permanente (trilhos) prepara-se para operação de máquinas especiais, verificando a programação de atividades de conservação e manutenção de via permanente e definindo prioridades Movimenta, com máquinas, materiais diversos – como britas, dormentes e trilhos - para realização de serviços de reparação dos componentes da via.

Executa a correção da geometria da via por meio de máquinas e equipamentos, analisando informações topográficas e geométricas e estabelecendo o limite de nivelamento e alinhamento.

Prepara a máquina, alimentando-a com dados geométricos Corrige alinhamento, nivelamento longitudinal e desnível transversal dos trilhos, monitorando instrumentos de correção da via.

Realiza ciclo de socaria do lastro, garantindo uma camada de apoio estável aos dormentes Instala máquina de desguarnecimento na via e monitora seu painel de controle, determinando a profundidade de corte da máquina, para remover lastro contaminado e recolocar lastro tratado.

Prepara a execução de esmerilhamento de trilhos, medindo o desgaste ondulatório de trilhos e definindo o método para realização do serviço.

Opera esmerilhadeira para ação preventiva e corretiva em trilhos, controlando a velocidade do trabalho, regulando e monitorando os ângulos e a pressão dos motores de esmerilhamento Avalia qualidade do esmerilhamento do trilho e anota detalhes do serviço executado.

Elabora relatório prestando informações sobre ocorrências, horas de trabalho e atividades realizadas.

Comunica-se com o centro de controle operacional do local do serviço, confirmando liberação de via para manutenção e pedindo autorização para interdição de linha Examina as condições gerais de equipamentos e máquinas especiais, troca peças danificadas e solicita serviço de manutenção, para solucionar problemas de funcionamento Encaminha equipamentos, máquinas e instrumentos de trabalho para aferição, auxiliando os técnicos na realização do serviço.

Trabalha com segurança, usando equipamentos de proteção individual e respeitando os limites de velocidade da via Aplica procedimentos de segurança, mapeando áreas de risco, definindo riscos em potencial, sinalizando e isolando áreas Interdita linha em casos de emergência.

.

Funções do Operador de máquinas especiais em conservação de via permanente (trilhos)

O profissional Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos) deve esmerilhar trilhos, inspecionar vias, realizar soldagem aluminotérmica, corrigir geometria da via por meio de equipamentos, trabalhar com segurança, demonstrar competências pessoais, providenciar manutenção de máquinas e equipamentos, reparar componentes da superestrutura e da infraestrutura da via, comunicar-se, desguarnecer lastro.

Condições de trabalho da profissão

Conservadores de vias permanentes (trilhos) trabalham em empresas de transporte terrestre como empregados com carteira assinada. Organizam-se em equipe, em locais abertos, no horário noturno. Porém,o trabalho em horário diurno também é possível, especialmente no caso dos conservadores de vias. Normalmente trabalham em locais subterrâneos e sujeitos a posições desconfortáveis durante longos períodos. O soldador aluminotérmico pode permanecer exposto a ruído intenso e altas temperaturas.

Exigências do mercado de trabalho para a profissão

Atividades exercidas por um Operador de máquinas especiais em conservação de via permanente (trilhos)

Um Operador de máquinas especiais em conservação de via permanente (trilhos) deve operar esmerilhadeira para ação corretiva e ou preventiva em trilhos, descarregar britas e dormentes, instalar máquina de desguarnecimento na via, comunicar ocorrências, trocar peças danificadas, classificar nível de falhas, peneirar brita para remoção de detritos, encaminhar para aferição equipamentos, máquinas e instrumentos de trabalho, examinar condições gerais do veículo, injetar produtos químicos nos dormentes, isolar áreas, analisar informações topográficas e geométricas da via, demonstrar iniciativa, controlar a velocidade de trabalho (do esmerilhamento), usar equipamentos de segurança individual, definir riscos em potencial, relatar horas e atividades desenvolvidas pela equipe, determinar profundidade de corte da máquina desguarnecedora, participar da elaboração da programação de trabalho, pedir autorização para interdição de linha, definir método de esmerilhamento, trocar informações com outras áreas, regular pressão dos motores de esmerilhamento, ajustar dados da máquina, carregar materiais diversos, confirmar liberação de via para manutenção, anotar detalhes do serviço executado, analisar programação de inspeção, avaliar local de depósito do rejeito, recolher objetos estranhos da via, monitorar instrumentos de correção de via, mapear áreas de risco, inteirar-se do trabalho a ser realizado, medir desgaste ondulatório de trilhos, deslocar-se a pé pela via, examinar condições das ferramentas, regularizar lastro, monitorar pressão e ângulos dos motores de esmerilhamento, avaliar qualidade do esmerilhamento do trilho, regular ângulos dos motores de esmerilhamento, auxiliar técnicos na aferição de máquinas, reciclar-se, remover lastro contaminado, checar água de irrigação (máquina esmerilhadora) e extintores, socar lastro, remover equipamentos à oficina, demonstrar bom senso, encaminhar veículo para manutenção, reforçar a marcação de parâmetros na via, interditar linha em situação de emergência, estabelecer limite de nivelamento e alinhamento da via, trabalhar em equipe, demonstrar responsabilidade, lavar vias, posicionar carro esmerilhador na via, sinalizar vias, respeitar limites de velocidade da via, examinar o estado do trilho, conduzir trem esmerilhador até local de trabalho, checar equipamento (check list), corrigir desnível transversal dos trilhos, atentar para as normas de segurança, demonstrar senso de ética, comunicar ao centro de controle operacional o local de serviço, aplicar procedimentos de segurança, esmerilhar componentes de amv, trilhos e juntas, preparar a máquina, monitorar o painel de controle da máquina desguarnecedora, definir prioridades, relatar falhas detectadas no ato de inspeção, alimentar a máquina com dados geométricos, demonstrar capacidade de concentração, operar veículo de inspeção geométrica da via, corrigir nivelamento longitudinal, varrer lastro, recolocar lastro tratado, corrigir alinhamento, relacionar pendências do equipamento, descarregar trilhos.

Aumento do piso salarial e reajuste 2024 da categoria

O reajuste salarial 2024 para Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos) ficou em 4.40%, obedecendo os índices de inflação do INPC - Índice Nacional de Preços ao Consumidor no período de um ano, esse é o critério para estipular o piso salarial 2024 e o início das negociações salariais entre o sindicato dos trabalhadores no cargo de Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos) e os sindicatos patronais.

Em algumas localidades houve aumento real do salário, ou seja, acima do índice de correção salarial e acima até mesmo do reajuste médio da categoria dos Conservadores de vias permanentes (trilhos) que ficou em 4.40% para 2024.

Uma observação importante é que nem sempre o aumento salarial do Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos) em 2024 está atrelado a acordos e convenções coletivas, o salário base pode ser estipulado de acordo com o salário mínimo 2024 ou o piso salarial mínimo regional se houver.

Reajuste e valor do vale refeição 2024

O reajuste médio do vale refeição 2024 para Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos) ficou em 4.30% de acordo com acordos coletivos, convenções coletivas e dissídios registrados no Sistema de Negociações Coletivas de Trabalho do SRT - Subsecretaria de Relações do Trabalho.

Com isso o valor médio do vale refeição para 2024 observado em instrumentos coletivos de todo Brasil ficou em R$ 25,00 por dia efetivamente trabalhado.

Como é feito o cálculo dos reajustes e pisos salariais dos Conservadores de vias permanentes (trilhos) 2024

O salário de Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos) mostrado aqui é resultado do levantamento de 2617 salários em admissões de empresas de todo o Brasil em 2024, além de dissídios, convenções e acordos coletivos da categoria em sindicatos nacionais ou regionais de Conservadores de vias permanentes (trilhos) que foram registrados no sistema Mediador da Secretaria da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, que registra os instrumentos coletivos.

Encontre o seu estado logo abaixo e saiba quanto ganha um Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos) com salários atualizados em 2024. A ordem dos salários obedece a sigla dos estados em ordem alfabética. Confira:

Dissídio salarrial de Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos) CBO 991115 salário

Valor do salário na CCT 2024 de Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos) em todos os estados

Dados de dissídios coletivos para Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos) por estado
UF Jornada Piso Média Teto Sal/Hora Dissídio 2024 (%)
São Paulo 44h 2.032,35 2.111,12 2.979,27 9,62 6.20%
Minas Gerais 44h 1.775,30 1.844,11 2.602,46 8,39 7.40%
Paraná 44h 1.789,07 1.858,41 2.622,64 8,49 7.90%
Espírito Santo 43h 2.656,15 2.759,09 3.893,71 12,69 6.40%
Rio de Janeiro 44h 2.228,19 2.314,55 3.266,36 10,55 8.20%
Pará 42h 2.219,03 2.305,04 3.252,94 10,96 6.90%
Pernambuco 44h 2.880,66 2.992,31 4.222,83 13,62 4.10%
Goiás 44h 1.886,52 1.959,64 2.765,50 8,93 7.20%
Bahia 44h 2.203,51 2.288,91 3.230,19 10,42 4.70%
Santa Catarina 44h 2.102,82 2.184,32 3.082,58 9,95 8.10%
Mato Grosso do Sul 44h 2.213,37 2.299,15 3.244,63 10,45 6.10%
Maranhão 43h 1.837,14 1.908,35 2.693,12 8,86 5.70%
Mato Grosso 44h 1.762,62 1.830,93 2.583,87 8,32 4.40%
Sergipe 44h 1.330,75 1.382,32 1.950,78 6,28 6.00%

Fonte: Dados CAGED, PNAD e instrumentos coletivos registrados no sistema Mediador do Ministério do Trabalho e Emprego que mencionem a profissão de Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos).

Dissídio de Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos) por cidade

Quanto ganha um Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos) nas principais cidades

Salários segundo dados do CAGED e instrumentos coletivos registrados que citem a profissão de Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos) na localidade
Cidade Carga Horária Piso Salarial Média Salarial Maior Salário Sal/Hora Dissídio 2024 (%)
Belo Horizonte, MG 44 1.646,35 1.710,16 2.413,43 7,79 7.20%
Curitiba, PR 44 1.686,37 1.751,73 2.472,10 7,98 5.30%
Serra, ES 43 2.737,32 2.843,41 4.012,70 13,17 5.80%
Hortolândia, SP 44 1.487,52 1.545,17 2.180,60 7,02 8.20%
Marechal Floriano, ES 44 2.779,86 2.887,60 4.075,06 13,13 6.80%
Itu, SP 44 1.542,99 1.602,80 2.261,91 7,29 4.80%
São Paulo, SP 44 2.901,16 3.013,60 4.252,88 13,77 4.30%
São José dos Pinhais, PR 44 1.431,67 1.487,15 2.098,72 6,76 4.20%
Lavras, MG 44 1.542,05 1.601,82 2.260,53 7,28 5.40%
Maringá, PR 44 1.982,09 2.058,91 2.905,60 9,36 7.70%
Brumado, BA 44 2.306,72 2.396,12 3.381,48 10,89 7.60%
Belém, PA 41 1.869,68 1.942,14 2.740,81 9,51 5.50%
Presidente Prudente, SP 44 1.758,33 1.826,48 2.577,58 8,30 6.20%
Santa Helena de Goiás, GO 44 1.532,18 1.591,57 2.246,07 7,23 8.10%
Osasco, SP 44 2.526,94 2.624,87 3.704,30 11,99 4.20%
Rio de Janeiro, RJ 44 2.761,71 2.868,75 4.048,46 13,09 8.10%
Barra do Pirai, RJ 44 1.533,62 1.593,06 2.248,18 7,24 5.40%
Salgueiro, PE 44 4.352,35 4.521,03 6.380,22 20,55 7.90%
Praia Grande, SP 44 1.523,46 1.582,50 2.233,27 7,19 7.60%
Goiana, PE 44 1.666,17 1.730,75 2.442,48 7,87 6.30%
Barbacena, MG 44 1.531,86 1.591,23 2.245,60 7,23 4.40%
Campinas, SP 44 2.346,97 2.437,94 3.440,49 11,08 7.00%
Ouro Preto, MG 44 1.539,98 1.599,67 2.257,50 7,27 6.90%
São Luís, MA 44 1.719,41 1.786,05 2.520,52 8,19 6.50%
Formiga, MG 44 2.420,25 2.514,06 3.547,91 11,43 5.90%
São José do Rio Preto, SP 44 1.425,02 1.480,25 2.088,97 6,76 5.30%
Cambe, PR 44 1.925,58 2.000,21 2.822,76 9,09 7.90%
Mairinque, SP 44 3.180,22 3.303,47 4.661,96 15,02 5.70%
Vitoria, ES 44 1.910,26 1.984,29 2.800,30 9,02 6.70%
Rio Negro, PR 44 2.117,92 2.200,00 3.104,71 10,00 7.10%

Os valores de piso salarial e porcentagem de dissídio referem-se a média observada em instrumentos coletivos registrados no sistema Mediador do Ministério do Trabalho e Emprego com abrangência na cidade ou na região e que citem a profissão de Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos). Instrumentos coletivos: Acordos, convenções ou dissídios coletivos.

Empresas que mais contratam Operador de Veículos Especiais na Conservação de Vias Permanentes (trilhos) no Brasil

Pisos salariais por setores das empresas
Segmento Piso Média Teto Dissídio 2024 (%)
Construção de rodovias e ferrovias 1.997,83 2.075,26 2.928,68 6.90%
Construção de edifícios 1.723,01 1.789,79 2.525,80 4.40%
Outras obras de engenharia civil não especificadas anteriormente 1.506,51 1.564,90 2.208,44 4.50%
Transporte rodoviário de carga, exceto produtos perigosos e mudanças, intermunicipal, interestadual e internacional 2.758,19 2.865,09 4.043,30 6.60%
Locação de mão-de-obra temporária 2.213,15 2.298,92 3.244,31 5.70%
Limpeza em prédios e em domicílios 1.864,64 1.936,91 2.733,43 7.80%
Manutenção e reparação de veículos ferroviários 4.255,61 4.420,54 6.238,40 5.60%
Atividades de apoio à produção florestal 1.828,89 1.899,77 2.681,02 5.60%
Aluguel de máquinas e equipamentos para construção sem operador, exceto andaimes 1.918,97 1.993,34 2.813,07 7.00%
Serviços combinados de escritório e apoio administrativo 2.249,49 2.336,67 3.297,58 6.50%
Atividades de limpeza não especificadas anteriormente 1.834,25 1.905,34 2.688,87 5.80%
Aluguel de palcos, coberturas e outras estruturas de uso temporário, exceto andaimes 1.523,46 1.582,50 2.233,27 5.50%
Transporte ferroviário de carga 3.018,23 3.135,21 4.424,50 7.60%
Obras de terraplenagem 2.256,48 2.343,94 3.307,84 8.20%
Pintura para sinalização em pistas rodoviárias e aeroportos 2.277,00 2.365,25 3.337,91 5.80%
Obras de urbanização - ruas, praças e calçadas 2.581,34 2.681,39 3.784,05 7.70%
Atividades paisagísticas 1.904,77 1.978,59 2.792,25 5.30%
Administração pública em geral 2.088,52 2.169,46 3.061,61 8.10%
Serviços de engenharia 2.608,78 2.709,89 3.824,28 6.50%
Serviços combinados para apoio a edifícios, exceto condomínios prediais 1.808,99 1.879,11 2.651,85 7.00%
Fonte: Contratações formais indicadas pelas empresas ao sistema Novo CAGED e convenções coletivas patronais.