O dissídio de Operador de Cobrança Bancária 2024 já saiu. Veja aqui o salário mínimo, piso salarial e salário médio em todos os estados, capitais e principais cidades brasileiras de acordo com a convenção coletiva, acordo coletivo ou dissídio do sindicato de profissionais registrados em carteira com o CBO 413230 no cargo de Operador de Cobrança Bancária.

Estado com maior salário médio

Amazonas

R$ 3.721,00

(últimos 12 meses)

Estado que mais contrata

São Paulo

2.129 admissões

(últimos 12 meses)

Cidade com maior salário médio

São Paulo - SP

R$ 1.703,59

Cidade que mais contrata

São Paulo - SP

1.890 admissões

Descrição sumária do cargo

O colaborador no cargo de Operador de cobrança bancária realiza cobranças, examinando relatórios para levantar a inadimplência de clientes, calculando juros, multas, descontos e abatimentos, atualizando e analisando documentos cadastrais e de cobrança, negociando com clientes as formas possíveis de quitação do débito, liquidando a dívida dos pagantes e instruindo protestos dos ainda inadimplentes Registra informações de negociação e emite relatórios.

Cumpre legislação, normas do Banco Central do Brasil e normas regulamentadoras de saúde e segurança no trabalho e de preservação ambiental

O que faz um Operador de Cobrança Bancária

O Operador de cobrança bancária analisa relatórios de pagamentos e recebimentos de títulos e congêneres, levantando a inadimplência de clientes Faz relação de clientes inadimplentes, entrando em contato para avisar-lhes sobre eventuais débitos e restrições.

Levanta motivos do não pagamento.

Calcula juros, multas, descontos e abatimentos, para dispor do valor total das dívidas Prepara borderô.

Atualiza e analisa documentos cadastrais e de cobrança, consultando órgãos de proteção ao crédito para levantamento de informações complementares Negocia com clientes as formas possíveis de quitação do débito.

Executa instruções de clientes referentes a seus títulos em cobrança, liquidando a dívida.

Fornece, se solicitada, carta de idoneidade financeira Instrui protestos para cobrança dos que continuam inadimplentes.

Recebe, protocola, arquiva e digitaliza documentos.

Registra informações de negociação, preenche planilhas e atualiza cadastros Emite relatórios das cobranças realizadas, utilizando sistemas informatizados a partir da análise dos motivos da inadimplência, pode encaminhar à gerência propostas de revisão das operações de crédito, para diminuir casos de não pagamento.

Presta atendimento aos usuários de serviços de cobrança bancária, acessando sistemas eletrônicos para troca de informações.

Funções do Operador de cobrança bancária

O profissional Operador de Cobrança Bancária deve demonstrar competências pessoais, comunicar-se, executar atividades de cobrança, administrar fluxo de malotes, realizar operações de caixa.

Condições de trabalho da profissão

Escriturários de serviços bancários trabalham como empregados assalariados, com carteira assinada, em instituições financeiras. Organizam-se em equipe, sob supervisão constante. O trabalho é exercido em ambiente fechado, no período diurno, exceto o compensador de banco que trabalha em horários irregulares. Eventualmente, estão sujeitos a estresse.

Exigências do mercado de trabalho para a profissão

Atividades exercidas por um Operador de cobrança bancária

Um Operador de cobrança bancária deve demonstrar senso de organização, demonstrar dinamismo, emitir ordem de pagamento, evidenciar atenção, distinguir conteúdo do malote, orientar usuários, trabalhar em equipe, verificar número do lacre, demonstrar dedicação, atualizar-se profissionalmente, demonstrar versatilidade, expedir malotes, emitir carta de idoneidade financeira, liquidar contratos, levantar motivo da inadimplência, imprimir relatórios, instruir protesto, distribuir documentos para áreas específicas, levantar clientes inadimplentes, executar instruções de clientes referentes a seus títulos em cobrança, protocolar recebimento de malotes, ler mural, demonstrar raciocínio lógico, preparar borderô, lacrar malote, trabalhar com ética, agir com discrição, negociar formas de quitação do débito, emitir carta de anuência, calcular juros, multas, descontos e abatimentos, acessar sistemas eletrônicos para troca de informações, contatar clientes, comunicar-se, revisar operações de crédito, ler jornal interno, receber malotes, demonstrar capacidade de relacionamento interpessoal.

Aumento do piso salarial e reajuste 2024 da categoria

O reajuste salarial 2024 para Operador de Cobrança Bancária ficou em 6.70%, obedecendo os índices de inflação do INPC - Índice Nacional de Preços ao Consumidor no período de um ano, esse é o critério para estipular o piso salarial 2024 e o início das negociações salariais entre o sindicato dos trabalhadores no cargo de Operador de Cobrança Bancária e os sindicatos patronais.

Em algumas localidades houve aumento real do salário, ou seja, acima do índice de correção salarial e acima até mesmo do reajuste médio da categoria dos Escriturários de serviços bancários que ficou em 6.70% para 2024.

Uma observação importante é que nem sempre o aumento salarial do Operador de Cobrança Bancária em 2024 está atrelado a acordos e convenções coletivas, o salário base pode ser estipulado de acordo com o salário mínimo 2024 ou o piso salarial mínimo regional se houver.

Reajuste e valor do vale refeição 2024

O reajuste médio do vale refeição 2024 para Operador de Cobrança Bancária ficou em 7.80% de acordo com acordos coletivos, convenções coletivas e dissídios registrados no Sistema de Negociações Coletivas de Trabalho do SRT - Subsecretaria de Relações do Trabalho.

Com isso o valor médio do vale refeição para 2024 observado em instrumentos coletivos de todo Brasil ficou em R$ 18,00 por dia efetivamente trabalhado.

Como é feito o cálculo dos reajustes e pisos salariais dos Escriturários de serviços bancários 2024

O salário de Operador de Cobrança Bancária mostrado aqui é resultado do levantamento de 2951 salários em admissões de empresas de todo o Brasil em 2024, além de dissídios, convenções e acordos coletivos da categoria em sindicatos nacionais ou regionais de Escriturários de serviços bancários que foram registrados no sistema Mediador da Secretaria da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, que registra os instrumentos coletivos.

Encontre o seu estado logo abaixo e saiba quanto ganha um Operador de Cobrança Bancária com salários atualizados em 2024. A ordem dos salários obedece a sigla dos estados em ordem alfabética. Confira:

Dissídio salarrial de Operador de Cobrança Bancária CBO 413230 salário

Valor do salário na CCT 2024 de Operador de Cobrança Bancária em todos os estados

Dados de dissídios coletivos para Operador de Cobrança Bancária por estado
UF Jornada Piso Média Teto Sal/Hora Dissídio 2024 (%)
São Paulo 37h 1.655,16 1.719,31 2.426,35 9,19 5.40%
Minas Gerais 37h 1.513,62 1.572,29 2.218,86 8,48 5.50%
Santa Catarina 43h 1.585,67 1.647,13 2.324,48 7,74 7.90%
Ceará 37h 1.387,21 1.440,98 2.033,55 7,78 4.20%
Paraná 42h 1.914,98 1.989,20 2.807,22 9,36 7.80%
Espírito Santo 36h 1.596,91 1.658,80 2.340,95 9,26 6.10%
Distrito Federal 42h 1.563,22 1.623,81 2.291,57 7,71 4.70%
Goiás 44h 1.592,60 1.654,32 2.334,63 7,52 4.70%
Rondônia 44h 1.477,39 1.534,65 2.165,74 6,98 7.80%
Bahia 44h 1.327,19 1.378,63 1.945,56 6,30 4.20%
Rio de Janeiro 43h 1.752,84 1.820,77 2.569,53 8,47 4.70%
Rio Grande do Sul 44h 1.941,54 2.016,79 2.846,15 9,24 5.90%
Pernambuco 44h 2.076,74 2.157,22 3.044,34 9,81 8.10%

Fonte: Dados CAGED, PNAD e instrumentos coletivos registrados no sistema Mediador do Ministério do Trabalho e Emprego que mencionem a profissão de Operador de Cobrança Bancária.

Dissídio de Operador de Cobrança Bancária por cidade

Quanto ganha um Operador de Cobrança Bancária nas principais cidades

Salários segundo dados do CAGED e instrumentos coletivos registrados que citem a profissão de Operador de Cobrança Bancária na localidade
Cidade Carga Horária Piso Salarial Média Salarial Maior Salário Sal/Hora Dissídio 2024 (%)
São Paulo, SP 37 1.640,03 1.703,59 2.404,16 9,24 7.00%
Belo Horizonte, MG 36 1.403,77 1.458,18 2.057,82 8,07 6.70%
Campinas, SP 39 1.626,58 1.689,62 2.384,44 8,64 4.40%
Concordia, SC 44 1.397,00 1.451,14 2.047,90 6,60 6.00%
Fortaleza, CE 37 1.387,21 1.440,98 2.033,55 7,78 8.00%
Suzano, SP 44 1.276,33 1.325,80 1.871,00 6,03 8.00%
Brasília, DF 42 1.563,22 1.623,81 2.291,57 7,71 4.80%
Palhoça, SC 43 1.541,94 1.601,71 2.260,38 7,41 5.10%
Florianópolis, SC 40 1.631,69 1.694,93 2.391,93 8,47 7.40%
Vitoria, ES 30 1.270,89 1.320,15 1.863,04 8,83 4.20%
São Jose, SC 40 1.510,90 1.569,45 2.214,86 7,85 8.10%
Santo André, SP 44 1.482,86 1.540,33 2.173,77 7,00 8.30%
Goiânia, GO 44 1.703,82 1.769,85 2.497,67 8,04 8.20%
Curitiba, PR 40 1.692,42 1.758,02 2.480,97 8,85 8.10%
Serra, ES 44 2.261,08 2.348,71 3.314,58 10,68 4.90%
Uberlândia, MG 44 2.362,59 2.454,15 3.463,38 11,16 4.80%
Mirassol, SP 44 1.586,37 1.647,86 2.325,50 7,49 5.90%
Maringá, PR 44 1.824,85 1.895,58 2.675,10 8,65 4.50%
São Carlos, SP 40 1.491,49 1.549,30 2.186,42 7,67 5.50%

Os valores de piso salarial e porcentagem de dissídio referem-se a média observada em instrumentos coletivos registrados no sistema Mediador do Ministério do Trabalho e Emprego com abrangência na cidade ou na região e que citem a profissão de Operador de Cobrança Bancária. Instrumentos coletivos: Acordos, convenções ou dissídios coletivos.

Empresas que mais contratam Operador de Cobrança Bancária no Brasil

Pisos salariais por setores das empresas
Segmento Piso Média Teto Dissídio 2024 (%)
Atividades de cobrança e informações cadastrais 1.469,47 1.526,42 2.154,13 7.50%
Serviços advocatícios 1.386,62 1.440,36 2.032,68 6.60%
Locação de mão-de-obra temporária 2.561,86 2.661,15 3.755,50 7.70%
Outras atividades de serviços prestados principalmente às empresas não especificadas anteriormente 1.563,62 1.624,23 2.292,16 8.10%
Serviços combinados de escritório e apoio administrativo 2.744,49 2.850,86 4.023,21 7.60%
Outras atividades auxiliares dos serviços financeiros não especificadas anteriormente 1.574,12 1.635,13 2.307,54 5.00%
Corretores e agentes de seguros, de planos de previdência complementar e de saúde 1.483,22 1.540,70 2.174,29 5.00%
Correspondentes de instituições financeiras 1.482,76 1.540,23 2.173,62 8.30%
Comércio a varejo de peças e acessórios novos para veículos automotores 1.599,54 1.661,53 2.344,81 4.70%
Casas lotéricas 1.370,66 1.423,79 2.009,29 6.10%
Bancos múltiplos, com carteira comercial 4.647,06 4.827,17 6.812,24 6.60%
Comércio atacadista de ferragens e ferramentas 1.817,08 1.887,50 2.663,70 4.90%
Holdings de instituições financeiras 8.009,17 8.319,58 11.740,85 5.20%
Comércio varejista de materiais de construção em geral 1.429,86 1.485,27 2.096,06 5.00%
Comércio varejista de produtos alimentícios em geral ou especializado em produtos alimentícios 1.571,23 1.632,12 2.303,30 4.20%
Comércio varejista de mercadorias em lojas de conveniência 1.775,20 1.844,00 2.602,31 4.20%
Comércio por atacado de peças e acessórios novos para veículos automotores 2.335,87 2.426,40 3.424,21 4.80%
Suporte técnico, manutenção e outros serviços em tecnologia da informação 1.315,47 1.366,46 1.928,38 8.00%
Comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios - supermercados 1.532,76 1.592,17 2.246,92 6.80%
Comércio varejista de outros produtos 1.491,31 1.549,11 2.186,15 8.00%
Fonte: Contratações formais indicadas pelas empresas ao sistema Novo CAGED e convenções coletivas patronais.