O dissídio de Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo 2024 já saiu. Veja aqui o salário mínimo, piso salarial e salário médio em todos os estados, capitais e principais cidades brasileiras de acordo com a convenção coletiva, acordo coletivo ou dissídio do sindicato de profissionais registrados em carteira com o CBO 373220 no cargo de Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo.

Estado com maior salário médio

Rio de Janeiro

R$ 5.696,83

(últimos 12 meses)

Estado que mais contrata

São Paulo

639 admissões

(últimos 12 meses)

Cidade com maior salário médio

Rio de Janeiro - RJ

R$ 6.054,99

Cidade que mais contrata

São Paulo - SP

461 admissões

Descrição sumária do cargo

O colaborador no cargo de Supervisor técnico operacional de sistemas de televisão e produtores de vídeo supervisiona atividades técnicas e operacionais realizadas nos sistemas de televisão e em produção audiovisual, providenciando equipamentos e outros recursos, acompanhando a execução da programação e controlando o atingimento de metas Planeja as atividades, participando da conceituação de projetos, elaborando indicadores de desempenho setorial, participando da definição de metas e orçando despesas operacionais.

Pesquisa tendências tecnológicas, para substituição de equipamentos e outros recursos obsoletos Administra recursos humanos e supervisiona o desempenho de equipe de trabalho Cumpre legislação, normas técnicas e normas regulamentadoras de saúde e segurança no trabalho e de preservação ambiental.

O que faz um Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo

O Supervisor técnico operacional de sistemas de televisão e produtores de vídeo planeja as atividades técnicas e operacionais relativas à televisão e à produção audiovisual, participando da definição de metas e orçando despesas operacionais Participa da conceituação de projetos e elabora indicadores de desempenho setorial.

Participa de reuniões pré e pós-demanda, negociando recursos técnico-operacionais e financeiros com áreas pertinentes.

Administra ciclo de vida dos equipamentos e sistemas, programando revisões preventivas Supervisiona atividades técnicas e operacionais, controlando o atingimento de metas.

Define a especificação dos recursos técnicos Verifica as condições de uso e de conservação dos equipamentos.

Providencia atendimento de solicitação de serviços de suporte e manutenção corretiva, quando necessário.

Solicita linhas de transmissão de áudio, vídeo, dados e segmento espacial Acompanha a execução da programação, monitorando a qualidade do sinal.

Apura as ocorrências durante o processo de transmissão.

Comanda acionamento de sistemas de redundância, sempre que necessário Monitora o tráfego e a distribuição de mídias Coordena avaliações técnicas e homologações de novos sistemas.

Presta suporte para realização de eventos, solicitando roteiro de gravação e de transmissão para análise Realiza visita técnica ao local do evento e providencia recursos de logística Contrata fornecimento de energia elétrica e serviços de links dedicados para o evento.

Avalia a operabilidade no cenário Supervisiona a interligação de sinais de terceiros com a produção do evento e checa as canalizações de sinais.

Repassa informações sobre condições técnicas e operacionais do evento para áreas afins Encaminha solicitação de segurança pública e/ou particular Pesquisa tendências tecnológicas, interagindo com fabricantes e fornecedores para conhecer as inovações na área.

Alerta sua chefia sobre a necessidade de substituição de equipamentos e outros recursos obsoletos Administra recursos humanos, participando da definição do perfil da equipe, gerenciando composição e movimentação de pessoal, solicitando abertura de vagas e controlando assiduidade Programa folgas e férias da equipe.

Supervisiona a equipe de trabalho, avaliando o desempenho e levantando necessidade de treinamento Viabiliza a capacitação e o desenvolvimento da equipe Atua em parceria com áreas afins.

Consolida relatórios de ocorrências e redige documentos Zela pelo cumprimento das normas de segurança do trabalho e da legislação.

Funções do Supervisor técnico operacional de sistemas de televisão e produtores de vídeo

O profissional Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo deve

Condições de trabalho da profissão

Supervisores operacionais e técnicos em mídias audiovisuais trabalham em emissoras de televisão e rádio em horários de trabalho irregulares. Normalmente atuam como assalariados, com carteira assinada e supervisão ocasional, estando diretamente subordinados aos Gerentes e possuem subordinados. Trabalham em equipe em ambientes fechados nas emissoras, a céu aberto ou em veículos.

Exigências do mercado de trabalho para a profissão

Atividades exercidas por um Supervisor técnico operacional de sistemas de televisão e produtores de vídeo

Um Supervisor técnico operacional de sistemas de televisão e produtores de vídeo deve

Aumento do piso salarial e reajuste 2024 da categoria

O reajuste salarial 2024 para Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo ficou em 8.00%, obedecendo os índices de inflação do INPC - Índice Nacional de Preços ao Consumidor no período de um ano, esse é o critério para estipular o piso salarial 2024 e o início das negociações salariais entre o sindicato dos trabalhadores no cargo de Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo e os sindicatos patronais.

Em algumas localidades houve aumento real do salário, ou seja, acima do índice de correção salarial e acima até mesmo do reajuste médio da categoria dos Supervisores operacionais e técnicos em mídias audiovisuais que ficou em 8.00% para 2024.

Uma observação importante é que nem sempre o aumento salarial do Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo em 2024 está atrelado a acordos e convenções coletivas, o salário base pode ser estipulado de acordo com o salário mínimo 2024 ou o piso salarial mínimo regional se houver.

Reajuste e valor do vale refeição 2024

O reajuste médio do vale refeição 2024 para Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo ficou em 4.80% de acordo com acordos coletivos, convenções coletivas e dissídios registrados no Sistema de Negociações Coletivas de Trabalho do SRT - Subsecretaria de Relações do Trabalho.

Com isso o valor médio do vale refeição para 2024 observado em instrumentos coletivos de todo Brasil ficou em R$ 32,00 por dia efetivamente trabalhado.

Como é feito o cálculo dos reajustes e pisos salariais dos Supervisores operacionais e técnicos em mídias audiovisuais 2024

O salário de Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo mostrado aqui é resultado do levantamento de 1483 salários em admissões de empresas de todo o Brasil em 2024, além de dissídios, convenções e acordos coletivos da categoria em sindicatos nacionais ou regionais de Supervisores operacionais e técnicos em mídias audiovisuais que foram registrados no sistema Mediador da Secretaria da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, que registra os instrumentos coletivos.

Encontre o seu estado logo abaixo e saiba quanto ganha um Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo com salários atualizados em 2024. A ordem dos salários obedece a sigla dos estados em ordem alfabética. Confira:

Dissídio salarrial de Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo CBO 373220 salário

Valor do salário na CCT 2024 de Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo em todos os estados

Dados de dissídios coletivos para Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo por estado
UF Jornada Piso Média Teto Sal/Hora Dissídio 2024 (%)
São Paulo 42h 5.421,41 5.631,53 7.947,38 26,99 7.60%
Rio de Janeiro 43h 5.484,28 5.696,83 8.039,54 26,77 7.50%
Minas Gerais 42h 3.850,86 4.000,11 5.645,08 19,13 6.30%
Rio Grande do Sul 43h 2.394,85 2.487,67 3.510,68 11,62 5.80%
Santa Catarina 42h 3.813,25 3.961,04 5.589,94 18,73 7.90%
Goiás 44h 3.173,91 3.296,92 4.652,72 15,12 6.00%
Paraná 41h 4.383,08 4.552,95 6.425,26 22,40 5.70%
Rondônia 38h 1.799,41 1.869,15 2.637,81 9,86 5.30%
Ceará 42h 3.018,55 3.135,54 4.424,97 14,82 5.00%
Bahia 44h 3.552,51 3.690,19 5.207,71 16,97 6.20%
Distrito Federal 40h 3.156,88 3.279,23 4.627,75 16,43 5.80%
Pará 41h 2.453,11 2.548,18 3.596,07 12,41 7.90%
Pernambuco 43h 2.724,63 2.830,23 3.994,10 13,20 4.10%
Espírito Santo 41h 3.657,94 3.799,71 5.362,26 18,37 7.60%
Mato Grosso do Sul 41h 2.551,04 2.649,91 3.739,64 13,00 8.00%
Amazonas 42h 2.059,18 2.138,99 3.018,61 10,10 4.40%
Mato Grosso 41h 2.299,31 2.388,42 3.370,61 11,65 4.10%
Paraíba 42h 1.816,56 1.886,97 2.662,95 8,99 7.70%
Rio Grande do Norte 37h 2.720,71 2.826,16 3.988,35 15,14 4.50%
Amapá 44h 3.047,64 3.165,76 4.467,61 14,39 5.30%

Fonte: Dados CAGED, PNAD e instrumentos coletivos registrados no sistema Mediador do Ministério do Trabalho e Emprego que mencionem a profissão de Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo.

Dissídio de Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo por cidade

Quanto ganha um Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo nas principais cidades

Salários segundo dados do CAGED e instrumentos coletivos registrados que citem a profissão de Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo na localidade
Cidade Carga Horária Piso Salarial Média Salarial Maior Salário Sal/Hora Dissídio 2024 (%)
São Paulo, SP 41 5.694,33 5.915,02 8.347,45 28,53 7.70%
Rio de Janeiro, RJ 43 5.829,07 6.054,99 8.544,99 28,44 7.00%
Belo Horizonte, MG 42 3.889,21 4.039,94 5.701,29 19,20 4.60%
Porto Velho, RO 37 1.864,59 1.936,85 2.733,34 10,47 4.30%
Fortaleza, CE 42 2.962,31 3.077,12 4.342,52 14,61 6.90%
Brasília, DF 40 3.156,88 3.279,23 4.627,75 16,43 7.30%
Goiânia, GO 43 3.559,68 3.697,64 5.218,22 17,08 4.20%
Manaus, AM 42 2.059,18 2.138,99 3.018,61 10,10 7.40%
São Caetano do Sul, SP 43 2.113,39 2.195,30 3.098,07 10,15 5.10%
Campinas, SP 41 6.118,08 6.355,20 8.968,65 31,28 5.90%
Porto Alegre, RS 44 2.611,35 2.712,56 3.828,04 12,39 5.70%
Florianópolis, SC 41 5.396,03 5.605,16 7.910,18 27,23 5.10%
Pelotas, RS 41 2.468,75 2.564,43 3.619,00 12,66 4.50%
Campo Grande, MS 39 2.704,19 2.809,00 3.964,15 14,27 5.50%
Caxias do Sul, RS 44 1.997,40 2.074,81 2.928,04 9,43 8.00%
João Pessoa, PB 43 1.846,15 1.917,70 2.706,32 9,02 8.10%
Curitiba, PR 41 5.393,43 5.602,47 7.906,37 27,62 7.50%
Recife, PE 43 3.008,40 3.125,00 4.410,09 14,41 4.80%
Belém, PA 39 2.518,32 2.615,92 3.691,67 13,28 7.50%
Bento Goncalves, RS 44 1.842,76 1.914,18 2.701,35 8,70 6.40%
Barueri, SP 43 4.992,87 5.186,38 7.319,18 24,31 5.80%
Salvador, BA 44 4.831,35 5.018,60 7.082,40 22,99 7.20%
Cuiabá, MT 42 2.328,97 2.419,24 3.414,10 11,47 6.60%
Ribeirão Preto, SP 41 5.277,46 5.482,00 7.736,36 26,56 7.80%
São Bernardo do Campo, SP 44 4.120,05 4.279,73 6.039,68 19,62 5.80%
Vitoria, ES 43 4.280,79 4.446,70 6.275,32 20,59 4.70%

Os valores de piso salarial e porcentagem de dissídio referem-se a média observada em instrumentos coletivos registrados no sistema Mediador do Ministério do Trabalho e Emprego com abrangência na cidade ou na região e que citem a profissão de Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo. Instrumentos coletivos: Acordos, convenções ou dissídios coletivos.

Empresas que mais contratam Supervisor de Operações de Sistemas de Televisão e Produtoras de Vídeo no Brasil

Pisos salariais por setores das empresas
Segmento Piso Média Teto Dissídio 2024 (%)
Locação de mão-de-obra temporária 4.717,72 4.900,56 6.915,82 4.80%
Atividades de televisão aberta 6.152,92 6.391,39 9.019,72 4.80%
Agências de publicidade 5.526,99 5.741,20 8.102,15 8.10%
Serviços de comunicação multimídia - scm 3.793,50 3.940,53 5.560,99 6.00%
Atividades de rádio 2.281,60 2.370,02 3.344,65 5.30%
Atividades de produção cinematográfica, de vídeos e de programas de televisão não especificadas anteriormente 5.275,92 5.480,40 7.734,11 6.20%
Desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis 5.797,14 6.021,82 8.498,18 5.00%
Fornecimento e gestão de recursos humanos para terceiros 6.290,52 6.534,32 9.221,43 7.80%
Reparação e manutenção de equipamentos de comunicação 2.389,86 2.482,48 3.503,35 4.30%
Atividades de teleatendimento 2.399,07 2.492,05 3.516,86 7.30%
Aluguel de outras máquinas e equipamentos comerciais e industriais , sem operador 3.074,29 3.193,44 4.506,68 5.20%
Atividades de organizações religiosas 3.334,07 3.463,29 4.887,50 7.90%
Provedores de acesso às redes de comunicações 2.232,91 2.319,45 3.273,28 5.80%
Instalação e manutenção elétrica 3.525,60 3.662,24 5.168,26 5.00%
Atividades de intermediação e agenciamento de serviços e negócios em geral, exceto imobiliários 7.746,87 8.047,12 11.356,34 7.30%
Artes cênicas, espetáculos e atividades complementares 2.370,23 2.462,10 3.474,58 7.70%
Portais, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na internet 5.121,57 5.320,06 7.507,83 5.50%
Comércio varejista especializado de equipamentos de telefonia e comunicação 2.117,10 2.199,15 3.103,51 6.60%
Marketing direto 2.369,69 2.461,53 3.473,79 5.10%
Educação superior - graduação e pós-graduação 4.260,63 4.425,76 6.245,77 5.90%
Fonte: Contratações formais indicadas pelas empresas ao sistema Novo CAGED e convenções coletivas patronais.