O dissídio de Forneiro e Operador (forno Elétrico) 2024 já saiu. Veja aqui o salário mínimo, piso salarial e salário médio em todos os estados, capitais e principais cidades brasileiras de acordo com a convenção coletiva, acordo coletivo ou dissídio do sindicato de profissionais registrados em carteira com o CBO 821215 no cargo de Forneiro e Operador (forno Elétrico).

Estado com maior salário médio

São Paulo

R$ 2.525,21

(últimos 12 meses)

Estado que mais contrata

Minas Gerais

268 admissões

(últimos 12 meses)

Cidade com maior salário médio

Blumenau - SC

R$ 2.937,61

Cidade que mais contrata

São Luís - MA

138 admissões

Descrição sumária do cargo

O colaborador no cargo de Forneiro e operador (forno elétrico) opera e controla o funcionamento de fornos elétricos, de arco voltaico ou de indução, para produzir variados tipos de aço-liga Prepara máquinas, equipamentos e materiais.

Vaza o metal líquido produzido Realiza tratamentos secundários e manutenção do material refratário Controla características físico-químicas da matéria-prima e do produto.

Participa das ações de melhoria nas atividades, fazendo uso de tecnologias de automação e controle Cumpre normas técnicas e normas regulamentadoras de saúde e segurança no trabalho e de preservação ambiental

O que faz um Forneiro e Operador (forno Elétrico)

O Forneiro e operador (forno elétrico) prepara máquinas, equipamentos e materiais, interpretando a programação da produção, comunicando-se com as áreas envolvidas, inspecionando visualmente máquinas e equipamentos e conferindo a disponibilidade de matérias-primas e insumos Retira amostras de matéria-prima.

Seleciona minérios, sucatas e fundentes.

Calcula a carga dos fornos, ajustando as quantidades conforme necessário para condições específicas Pesa minérios e fundentes.

Solicita manutenção das máquinas e dos equipamentos, quando necessário Opera e controla o funcionamento de fornos elétricos, acionando dispositivos de comando e controle de máquinas, equipamentos de carregamento e auxiliares, para produzir metal líquido.

Seleciona sucata, pesa a carga metálica, posiciona e carrega o forno.

Efetua a ligação e o controle da corrente elétrica através dos eletrodos ou das bobinas de indução, para produzir arco elétrico ou calor dentro da carga Pode realizar a operação e o controle com o auxílio de painéis ou telas de sistemas de supervisão de processos, observando seus gráficos e instrumentos – físicos ou virtuais – e efetuando as intervenções necessárias para manter o fluxo de operação dentro dos parâmetros especificados para o processo.

Efetua o desligamento da corrente elétrica, acionando dispositivos apropriados, para concluir a operação de fusão.

Monitora o consumo de eletrodo em fornos elétricos de arco voltaico Vaza o metal líquido, posicionando a panela de vazamento, desobstruindo o furo de corrida e injetando gás inerte Pesa o metal líquido, calcula quantidades, conforme especificações, e adiciona elementos de liga.

Retira escória residual dos fornos ou das panelas de vazamento Retira amostras de metal e escória Granula a escória.

Realiza a manutenção do material refratário, selecionando materiais e ferramentas, limpando o local a ser reparado, preparando a argamassa refratária e curvando o local, para possibilitar novo ciclo de operações de fusão Controla as características físico-químicas da matéria-prima e do produto, medindo e ajustando parâmetros operacionais, para mantê-los nos níveis especificados para o processo.

Monitora visualmente o aspecto do metal e da escória, para possibilitar o controle de qualidade do produto Pode retirar amostras do material em fusão, observando as técnicas de execução, a fim de possibilitar análises e testes que servirão de indicadores para a regulagem da temperatura do forno Realiza tratamentos secundários, posicionando a panela – com metal líquido vazado – na estação de tratamento secundário, aquecendo e desgaseificando os metais.

Realiza tratamento de modularização Participa das ações de melhoria nas atividades com fornos elétricos, fazendo uso de tecnologias de automação e controle - incluindo os sistemas de supervisão -, para aprimoramento dos parâmetros tecnológicos do processo e elevação do nível de qualidade dos vários tipos de aço-liga produzidos Mantém o local de trabalho limpo e organizado.

Zela pela conservação e pela manutenção de máquinas e equipamentos Cumpre normas de segurança pessoal e ambiental, usando Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC), e coletando lixos e resíduos industriais Respeita sinalização de segurança e comunica acidentes e incidentes.

Opera sistema de despoeiramento.

Funções do Forneiro e operador (forno elétrico)

O profissional Forneiro e Operador (forno Elétrico) deve realizar manutenção refratária, vazar o ferro gusa, produzir metal líquido, preparar máquinas, equipamentos e materiais, demonstrar competências pessoais, movimentar materiais, cumprir normas de segurança pessoal e ambiental, vazar o metal líquido, realizar tratamentos secundários, operar o alto-forno, controlar características físico químicas da matéria-prima e produto, dessulfurar o ferro gusa.

Condições de trabalho da profissão

Operadores de fornos de primeira fusão e aciaria profissionais nessa família CBO, exercem o cargo na fabricação de produtos de metal e Organizam-se em equipe, sob supervisão ocasional, em ambientes fechados e no sistema de rodízio de turnos (diurno/noturno). No exercício de algumas atividades podem permanecer em posições desconfortáveis durante longos períodos e expostos a materiais tóxicos, radiação, ruído intenso e altas temperaturas.

Exigências do mercado de trabalho para a profissão

Atividades exercidas por um Forneiro e operador (forno elétrico)

Um Forneiro e operador (forno elétrico) deve manifestar versatilidade, manter o local de trabalho limpo e organizado, preparar a argamassa refratária, selecionar minérios e fundentes, posicionar a panela na estação de tratamento secundário, tratar metais não-ferrosos, interpretar programação de produção, realizar tratamento de nodularização, limpar o local a ser reparado, retirar amostras de metal e escória, demonstrar iniciativa, adicionar elementos de liga, solicitar manutenção, operar sistema de despoeiramento, operar máquinas e equipamento de carregamento, evidenciar pontualidade e assiduidade, controlar parâmetros operacionais (pressão, vazão, temperatura), curvar o local, selecionar sucata, demonstrar consciência ecológica, selecionar materiais e ferramentas, monitorar consumo de eletrodo em forno a arco, remover a escória do metal, comunicar-se, evidenciar habilidades numéricas, injetar gás inerte, desgaseificar os metais, carregar o forno ou convertedor, disponibilizar o metal para consumo ou tratamento secundário, retirar amostras de matéria-prima, inspecionar visulamente máquinas e equipamentos, retirar escória residual (forno ou panela), desobstruir o furo de corrida, comunicar-se com as áreas envolvidas, demonstrar criatividade, medir a temperatura do metal líquido, transferir o metal para a panela, operar equipamentos auxiliares, pesar a carga metálica, pesar o metal líquido, monitorar o vazamento do metal, aquecer o metal, zelar por máquinas e equipamentos, trabalhar em equipe, posicionar panela de vazamento, operar o forno, comunicar acidentes e incidentes, usar equipamentos de proteção individual e coletiva (epi e epc), conferir disponibilidade de matérias-primas e insumos, coletar lixos e resíduos industriais, calcular a carga dos fornos, calcular quantidades de elementos de liga, aperfeiçoar-se profissionalmente, posicionar o convertedor ou forno, monitorar visualmente o metal e escória, preencher relatórios e formulários, liberar a panela ou carro torpedo, pesar minérios e fundentes, respeitar sinalização de segurança, granular a escória.

Aumento do piso salarial e reajuste 2024 da categoria

O reajuste salarial 2024 para Forneiro e Operador (forno Elétrico) ficou em 5.20%, obedecendo os índices de inflação do INPC - Índice Nacional de Preços ao Consumidor no período de um ano, esse é o critério para estipular o piso salarial 2024 e o início das negociações salariais entre o sindicato dos trabalhadores no cargo de Forneiro e Operador (forno Elétrico) e os sindicatos patronais.

Em algumas localidades houve aumento real do salário, ou seja, acima do índice de correção salarial e acima até mesmo do reajuste médio da categoria dos Operadores de fornos de primeira fusão e aciaria que ficou em 5.20% para 2024.

Uma observação importante é que nem sempre o aumento salarial do Forneiro e Operador (forno Elétrico) em 2024 está atrelado a acordos e convenções coletivas, o salário base pode ser estipulado de acordo com o salário mínimo 2024 ou o piso salarial mínimo regional se houver.

Reajuste e valor do vale refeição 2024

O reajuste médio do vale refeição 2024 para Forneiro e Operador (forno Elétrico) ficou em 8.50% de acordo com acordos coletivos, convenções coletivas e dissídios registrados no Sistema de Negociações Coletivas de Trabalho do SRT - Subsecretaria de Relações do Trabalho.

Com isso o valor médio do vale refeição para 2024 observado em instrumentos coletivos de todo Brasil ficou em R$ 19,00 por dia efetivamente trabalhado.

Como é feito o cálculo dos reajustes e pisos salariais dos Operadores de fornos de primeira fusão e aciaria 2024

O salário de Forneiro e Operador (forno Elétrico) mostrado aqui é resultado do levantamento de 1737 salários em admissões de empresas de todo o Brasil em 2024, além de dissídios, convenções e acordos coletivos da categoria em sindicatos nacionais ou regionais de Operadores de fornos de primeira fusão e aciaria que foram registrados no sistema Mediador da Secretaria da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, que registra os instrumentos coletivos.

Encontre o seu estado logo abaixo e saiba quanto ganha um Forneiro e Operador (forno Elétrico) com salários atualizados em 2024. A ordem dos salários obedece a sigla dos estados em ordem alfabética. Confira:

Dissídio salarrial de Forneiro e Operador (forno Elétrico) CBO 821215 salário

Valor do salário na CCT 2024 de Forneiro e Operador (forno Elétrico) em todos os estados

Dados de dissídios coletivos para Forneiro e Operador (forno Elétrico) por estado
UF Jornada Piso Média Teto Sal/Hora Dissídio 2024 (%)
Minas Gerais 42h 1.872,43 1.945,00 2.744,85 9,20 7.40%
São Paulo 44h 2.430,99 2.525,21 3.563,65 11,60 7.40%
Ceará 43h 1.353,57 1.406,03 1.984,23 6,51 5.50%
Maranhão 44h 1.894,20 1.967,62 2.776,76 8,94 4.30%
Bahia 43h 1.498,62 1.556,71 2.196,87 7,16 4.60%
Santa Catarina 44h 2.254,11 2.341,47 3.304,35 10,70 5.00%
Pará 44h 1.586,37 1.647,86 2.325,50 7,52 6.70%
Pernambuco 43h 1.476,85 1.534,09 2.164,96 7,06 4.50%
Goiás 44h 1.559,21 1.619,64 2.285,68 7,44 7.60%
Rio de Janeiro 43h 1.669,75 1.734,46 2.447,73 8,08 7.00%
Rio Grande do Norte 44h 1.330,03 1.381,58 1.949,73 6,34 4.20%
Espírito Santo 44h 1.583,31 1.644,67 2.321,01 7,56 6.60%
Rio Grande do Sul 43h 2.306,59 2.395,98 3.381,28 11,03 6.30%
Paraná 42h 2.081,25 2.161,91 3.050,95 10,21 4.60%
Paraíba 44h 1.503,12 1.561,38 2.203,46 7,11 5.70%
Alagoas 44h 1.373,66 1.426,90 2.013,68 6,53 7.70%
Distrito Federal 44h 1.470,32 1.527,31 2.155,38 6,97 8.20%
Roraima 44h 1.319,98 1.371,14 1.934,99 6,23 4.30%
Sergipe 44h 1.554,08 1.614,31 2.278,16 7,34 7.60%
Amazonas 43h 1.342,10 1.394,11 1.967,41 6,47 4.80%
Piauí 44h 1.401,08 1.455,38 2.053,88 6,62 4.80%
Rondônia 42h 1.378,97 1.432,42 2.021,47 6,82 4.50%

Fonte: Dados CAGED, PNAD e instrumentos coletivos registrados no sistema Mediador do Ministério do Trabalho e Emprego que mencionem a profissão de Forneiro e Operador (forno Elétrico).

Dissídio de Forneiro e Operador (forno Elétrico) por cidade

Quanto ganha um Forneiro e Operador (forno Elétrico) nas principais cidades

Salários segundo dados do CAGED e instrumentos coletivos registrados que citem a profissão de Forneiro e Operador (forno Elétrico) na localidade
Cidade Carga Horária Piso Salarial Média Salarial Maior Salário Sal/Hora Dissídio 2024 (%)
São Luís, MA 44 2.012,73 2.090,74 2.950,51 9,50 7.80%
Fortaleza, CE 43 1.354,03 1.406,51 1.984,91 6,50 6.60%
Barbacena, MG 43 1.511,14 1.569,71 2.215,22 7,25 4.70%
São Paulo, SP 43 2.138,73 2.221,62 3.135,22 10,39 5.30%
Goiânia, GO 43 1.533,73 1.593,17 2.248,33 7,36 7.70%
Pirapora, MG 44 2.406,79 2.500,07 3.528,18 11,36 7.30%
Recife, PE 44 1.467,49 1.524,37 2.151,23 6,97 5.20%
Lauro de Freitas, BA 44 1.704,81 1.770,88 2.499,12 8,05 6.70%
Belo Horizonte, MG 44 1.668,17 1.732,83 2.445,42 7,88 6.60%
Blumenau, SC 44 2.828,00 2.937,61 4.145,64 13,35 6.00%
Boa Vista, RR 44 1.319,98 1.371,14 1.934,99 6,23 7.60%
Brasília, DF 44 1.470,32 1.527,31 2.155,38 6,97 8.00%
Maceió, AL 43 1.372,63 1.425,83 2.012,17 6,56 5.20%
Santo André, SP 44 2.552,64 2.651,58 3.741,98 12,05 6.90%
Vila Velha, ES 44 1.366,25 1.419,20 2.002,82 6,51 5.70%
Guarulhos, SP 44 2.271,49 2.359,53 3.329,83 10,75 6.00%
Manaus, AM 43 1.342,10 1.394,11 1.967,41 6,47 5.80%
Barra Mansa, RJ 44 1.786,13 1.855,36 2.618,34 8,43 5.00%
Itabuna, BA 41 1.350,20 1.402,53 1.979,30 6,83 5.50%
Belém, PA 44 1.545,91 1.605,83 2.266,20 7,34 5.60%
São Marcos, RS 44 2.423,54 2.517,47 3.552,72 11,44 4.90%
Contagem, MG 43 2.782,39 2.890,23 4.078,78 13,55 7.50%
Natal, RN 43 1.327,89 1.379,36 1.946,59 6,35 5.50%
Ouro Preto, MG 37 1.856,93 1.928,90 2.722,12 10,36 6.70%
Olinda, PE 44 1.411,77 1.466,48 2.069,54 6,67 7.10%
Curitiba, PR 43 2.166,08 2.250,03 3.175,31 10,37 8.20%
Caxias do Sul, RS 44 1.996,66 2.074,05 2.926,96 9,43 5.60%
Porto Velho, RO 42 1.378,97 1.432,42 2.021,47 6,82 5.80%
Itu, SP 43 2.372,07 2.464,00 3.477,27 11,37 7.00%
São João Del Rei, MG 36 2.220,81 2.306,89 3.255,55 12,82 8.10%

Os valores de piso salarial e porcentagem de dissídio referem-se a média observada em instrumentos coletivos registrados no sistema Mediador do Ministério do Trabalho e Emprego com abrangência na cidade ou na região e que citem a profissão de Forneiro e Operador (forno Elétrico). Instrumentos coletivos: Acordos, convenções ou dissídios coletivos.

Empresas que mais contratam Forneiro e Operador (forno Elétrico) no Brasil

Pisos salariais por setores das empresas
Segmento Piso Média Teto Dissídio 2024 (%)
Comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios - supermercados 1.436,88 1.492,57 2.106,36 4.20%
Fabricação de produtos de padaria e confeitaria com predominância de produção própria 1.489,22 1.546,94 2.183,09 5.80%
Padaria e confeitaria com predominância de revenda 1.508,80 1.567,28 2.211,79 4.30%
Produção de alumínio e suas ligas em formas primárias 2.579,37 2.679,34 3.781,17 5.40%
Fundição de ferro e aço 2.742,16 2.848,44 4.019,80 8.20%
Obras de montagem industrial 1.444,03 1.500,00 2.116,85 4.40%
Produção de ferroligas 2.119,61 2.201,76 3.107,18 6.40%
Restaurantes e similares 1.636,28 1.699,70 2.398,66 5.00%
Fabricação de produtos de panificação industrial 1.710,27 1.776,56 2.507,13 4.30%
Serviços combinados de escritório e apoio administrativo 1.345,97 1.398,14 1.973,09 7.20%
Lanchonetes, casas de chá, de sucos e similares 1.591,88 1.653,58 2.333,57 7.80%
Comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios - minimercados, mercearias e armazéns 1.543,09 1.602,89 2.262,05 5.80%
Fabricação de biscoitos e bolachas 1.598,69 1.660,65 2.343,55 7.20%
Produção de laminados longos de aço, exceto tubos 3.142,67 3.264,47 4.606,91 6.20%
Fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para consumo domiciliar 1.760,51 1.828,75 2.580,78 7.50%
Fabricação de artefatos de material plástico para outros usos 1.706,58 1.772,72 2.501,72 6.40%
Produção de laminados de alumínio 2.722,46 2.827,98 3.990,93 6.60%
Fabricação de outros produtos de minerais não-metálicos 2.207,38 2.292,94 3.235,86 4.70%
Comércio varejista de produtos alimentícios em geral ou especializado em produtos alimentícios 1.420,50 1.475,56 2.082,35 5.30%
Serviços de alimentação para eventos e recepções - bufê 1.461,32 1.517,95 2.142,18 5.30%
Fonte: Contratações formais indicadas pelas empresas ao sistema Novo CAGED e convenções coletivas patronais.