O dissídio de Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar 2024 já saiu. Veja aqui o salário mínimo, piso salarial e salário médio em todos os estados, capitais e principais cidades brasileiras de acordo com a convenção coletiva, acordo coletivo ou dissídio do sindicato de profissionais registrados em carteira com o CBO 841310 no cargo de Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar.

Estado com maior salário médio

Mato Grosso

R$ 6.069,83

(últimos 12 meses)

Estado que mais contrata

São Paulo

1.507 admissões

(últimos 12 meses)

Cidade com maior salário médio

Anaurilandia - MS

R$ 3.683,63

Cidade que mais contrata

São José da Laje - AL

122 admissões

Descrição sumária do cargo

O colaborador no cargo de Operador de equipamentos de refinação de açúcar (processo contínuo) opera equipamentos de refinação do açúcar em todas as etapas do processo produtivo, operando a moenda, tratando e concentrando o caldo, tratando o licor do açúcar para promover a sua clarificação, e executando a cristalização, a centrifugação e a secagem do açúcar Efetua a classificação do açúcar e encaminha o produto para embalagem.

Faz os controles do processo e do produto em cada uma das etapas Preenche boletins com dados da produção e registros das ocorrências Realiza manutenção de primeiro nível em equipamentos.

Cumpre normas e procedimentos técnicos, normas de higiene, normas de qualidade e normas regulamentadoras de saúde e segurança no trabalho e de preservação ambiental

O que faz um Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar

O Operador de equipamentos de refinação de açúcar (processo contínuo) prepara e organiza o trabalho, interpretando a ordem de produção para realização da refinação de açúcar em processo contínuo Seleciona instrumentos de trabalho.

Consulta informações de controle laboratorial para a operação da moenda.

Opera a moenda, acionando os comandos elétricos, controlando a velocidade da esteira transportadora com cana-de-açúcar desfibrada, e monitorando a pressão hidráulica, a rotação da moenda e a temperatura dos mancais Regula a vazão de água para umidificar o bagaço da cana.

Trata o caldo, peneirando-o para retirada de resíduos sólidos e adicionando compostos químicos para sulfetar o caldo Mede e corrige o pH, aquece e controla a temperatura, e decanta o caldo.

Remove e trata os resíduos da decantação.

Faz a concentração do caldo para transformá-lo em xarope e licor, operando os evaporadores, controlando a pressão do equipamento, e controlando a vazão, a temperatura e a concentração do caldo Trata o licor do açúcar para promover a sua clarificação, diluindo o açúcar com a água, aquecendo e monitorando a temperatura do licor, controlando a vazão do licor, dosando os produtos químicos necessários para a clarificação, e fazendo a flotação para retirar resíduos.

Filtra o licor tratado.

Opera o equipamento de cristalização de açúcar, ajustando os parâmetros de operação, verificando os instrumentos de controle do processo, alimentando o equipamento com xarope e licor, medindo a concentração de sacarose, adicionando aditivos e microcristais, realimentando a cristalização com xarope e licor, e verificando a concentração da massa cristalizada Transfere a massa cristalizada para o repouso e posterior centrifugação Centrifuga o açúcar, acionando os comandos elétricos, alimentando a centrífuga com a massa cristalizada, controlando a rotação da centrífuga e o tempo de centrifugação, e observando os indicadores de pressão e a temperatura da água de lavagem.

Transfere o açúcar centrifugado para a etapa de secagem Faz a secagem do açúcar, acionando o secador, controlando a vazão de ar quente e ar frio, alimentando o secador com açúcar cristal e/ou refinado, controlando a temperatura do secador, e retirando impurezas presentes no açúcar Classifica o açúcar de acordo com o tamanho dos cristais e encaminha o produto para embalagem.

Preenche boletins com dados de produção e com registro das ocorrências que afetam o processo produtivo e a qualidade do produto Presta informações técnicas oralmente e por escrito.

Conserva o local de trabalho limpo e organizado Mantém instrumentos de trabalho limpos, organizados, acondicionados e em plenas condições de uso Coleta os resíduos para descarte.

Segue, na execução do descarte, os procedimentos estabelecidos pela empresa para o atendimento às normas ambientais Limpa, lubrifica e realiza pequenos reparos nos equipamentos Identifica falhas durante o funcionamento, registrando as ocorrências e requisitando serviço de manutenção.

Auxilia na manutenção programada Zela pelas condições de segurança, cumprindo as normas internas, utilizando os equipamentos de proteção individual, identificando e informando as condições inseguras de trabalho, e prevenindo acidentes.

Funções do Operador de equipamentos de refinação de açúcar (processo contínuo)

O profissional Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar deve tratar o caldo, tratar o licor do açúcar, demonstrar competências pessoais, concentrar o caldo, preparar o açúcar para embalagem, cristalizar o açúcar, centrifugar o açúcar, operar a moenda, manter máquinas e equipamentos em funcionamento.

Condições de trabalho da profissão

Trabalhadores na fabricação e refino de açúcar atuam na fabricação de produtos alimentícios, de bebidas e de álcool como empregados com carteira assinada. Organizam-se em equipe, sob supervisão permanente, em ambiente fechado e no sistema de rodízio de turnos (diurno/noturno). No desenvolvimento de algumas atividades podem permanecer expostos à ação de materiais tóxicos, ruído intenso e altas temperaturas.

Exigências do mercado de trabalho para a profissão

Atividades exercidas por um Operador de equipamentos de refinação de açúcar (processo contínuo)

Um Operador de equipamentos de refinação de açúcar (processo contínuo) deve identificar falhas no funcionamento das máquinas e equipamentos, auxiliar na manutenção programada, controlar a temperatura do secador, aquecer o licor, manter-se atualizado tecnicamente, acompanhar a concentração da massa, clarificar o licor por meio de flotação, acompanhar a rotação da moenda, acompanhar o tempo de centrifugação, controlar a pressão dos evaporadores, alimentar o equipamento com o xarope e ou licor, acompanhar a concentração do xarope e ou licor, conservar máquinas e equipamentos, transferir o açúcar centrifugado para secagem, demonstrar iniciativa para o trabalho, monitorar a temperatura dos mancais, monitorar a temperatura do licor, decantar o caldo, controlar a velocidade da esteira transportadora com cana-de-açúcar desfibrada, retirar impurezas do açúcar, tratar resíduos da decantação, controlar a temperatura do caldo, adicionar micro cristais no xarope e ou licor, trabalhar em equipe, alimentar a centrífuga com massa do cozimento, monitorar a pressão hidráulica, diluir o açúcar com água, acionar a centrífuga, acionar a moenda, comunicar-se com facilidade, preparar o equipamento para receber o xarope e ou licor, controlar a vazão de caldo, controlar a concentração do caldo, filtrar o licor, realizar pequenos consertos, obedecer normas da empresa, medir dosagem dos produtos químicos, regular a vazão de água de embebição ao bagaço, registrar as ocorrências, acionar o secador, controlar a vazão do licor, realizar pequenas lubrificações, transferir a massa cristalizada para o repouso, aquecer o caldo controlando a temperatura, peneirar o caldo, controlar a vazão de ar quente e ar frio, sulfetar o caldo, corrigir o ph do caldo, classificar o açúcar de acordo com o tamanho dos cristais, alimentar o secador com açúcar cristal e ou refinado, interpretar dados técnicos, consultar informações de controle laboratorial para a operação da moenda, alimentar a cristalização com xarope e ou licor, observar os indicadores de pressão e temperatura da água de lavagem, verificar a rotação da centrífuga, demonstrar criatividade, cumprir e fazer cumprir as normas de segurança, solicitar o conserto de máquinas e equipamentos.

Aumento do piso salarial e reajuste 2024 da categoria

O reajuste salarial 2024 para Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar ficou em 5.80%, obedecendo os índices de inflação do INPC - Índice Nacional de Preços ao Consumidor no período de um ano, esse é o critério para estipular o piso salarial 2024 e o início das negociações salariais entre o sindicato dos trabalhadores no cargo de Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar e os sindicatos patronais.

Em algumas localidades houve aumento real do salário, ou seja, acima do índice de correção salarial e acima até mesmo do reajuste médio da categoria dos Trabalhadores na fabricação e refino de açúcar que ficou em 5.80% para 2024.

Uma observação importante é que nem sempre o aumento salarial do Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar em 2024 está atrelado a acordos e convenções coletivas, o salário base pode ser estipulado de acordo com o salário mínimo 2024 ou o piso salarial mínimo regional se houver.

Reajuste e valor do vale refeição 2024

O reajuste médio do vale refeição 2024 para Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar ficou em 8.20% de acordo com acordos coletivos, convenções coletivas e dissídios registrados no Sistema de Negociações Coletivas de Trabalho do SRT - Subsecretaria de Relações do Trabalho.

Com isso o valor médio do vale refeição para 2024 observado em instrumentos coletivos de todo Brasil ficou em R$ 27,00 por dia efetivamente trabalhado.

Como é feito o cálculo dos reajustes e pisos salariais dos Trabalhadores na fabricação e refino de açúcar 2024

O salário de Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar mostrado aqui é resultado do levantamento de 3029 salários em admissões de empresas de todo o Brasil em 2024, além de dissídios, convenções e acordos coletivos da categoria em sindicatos nacionais ou regionais de Trabalhadores na fabricação e refino de açúcar que foram registrados no sistema Mediador da Secretaria da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, que registra os instrumentos coletivos.

Encontre o seu estado logo abaixo e saiba quanto ganha um Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar com salários atualizados em 2024. A ordem dos salários obedece a sigla dos estados em ordem alfabética. Confira:

Dissídio salarrial de Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar CBO 841310 salário

Valor do salário na CCT 2024 de Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar em todos os estados

Dados de dissídios coletivos para Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar por estado
UF Jornada Piso Média Teto Sal/Hora Dissídio 2024 (%)
São Paulo 44h 2.016,64 2.094,80 2.956,24 9,56 6.20%
Alagoas 44h 1.492,35 1.550,18 2.187,67 7,10 4.20%
Pernambuco 43h 1.534,07 1.593,53 2.248,84 7,47 7.20%
Paraná 43h 1.772,93 1.841,64 2.598,98 8,54 6.50%
Mato Grosso do Sul 44h 2.360,10 2.451,57 3.459,73 11,15 5.60%
Goiás 44h 2.154,47 2.237,97 3.158,29 10,26 7.00%
Minas Gerais 44h 1.880,67 1.953,56 2.756,93 8,89 6.40%
Rio Grande do Norte 44h 1.616,49 1.679,14 2.369,65 7,68 5.70%
Paraíba 44h 1.709,58 1.775,84 2.506,12 8,07 7.70%
Sergipe 44h 1.525,68 1.584,81 2.236,54 7,20 7.30%
Rio de Janeiro 44h 1.470,04 1.527,01 2.154,97 7,00 5.60%
Bahia 44h 1.896,58 1.970,08 2.780,24 8,95 7.50%
Espírito Santo 43h 1.692,32 1.757,91 2.480,81 8,26 5.70%

Fonte: Dados CAGED, PNAD e instrumentos coletivos registrados no sistema Mediador do Ministério do Trabalho e Emprego que mencionem a profissão de Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar.

Dissídio de Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar por cidade

Quanto ganha um Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar nas principais cidades

Salários segundo dados do CAGED e instrumentos coletivos registrados que citem a profissão de Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar na localidade
Cidade Carga Horária Piso Salarial Média Salarial Maior Salário Sal/Hora Dissídio 2024 (%)
São José da Laje, AL 44 1.441,36 1.497,22 2.112,92 6,81 7.60%
Santa Rita do Passa Quatro, SP 43 1.661,02 1.725,40 2.434,93 8,07 5.80%
Colorado, PR 43 1.616,26 1.678,90 2.369,32 7,78 7.50%
Rio Largo, AL 43 1.493,76 1.551,66 2.189,75 7,17 4.20%
Angélica, MS 44 2.286,51 2.375,13 3.351,85 10,80 7.20%
Pitangueiras, SP 44 2.140,91 2.223,88 3.138,41 10,11 4.80%
Primavera, PE 44 1.528,40 1.587,64 2.240,52 7,22 7.80%
Goianésia, GO 43 1.911,55 1.985,64 2.802,19 9,25 6.60%
Nova Europa, SP 44 1.494,46 1.552,38 2.190,77 7,06 4.20%
Lençóis Paulista, SP 44 1.943,40 2.018,72 2.848,87 9,18 5.10%
Ariranha, SP 44 1.877,33 1.950,09 2.752,02 8,86 6.30%
Araras, SP 44 1.513,23 1.571,88 2.218,28 7,14 8.30%
Urucania, MG 44 1.598,54 1.660,49 2.343,34 7,55 6.00%
Navirai, MS 44 1.974,44 2.050,96 2.894,38 9,32 6.30%
Guaira, SP 44 2.358,55 2.449,96 3.457,46 11,14 4.60%
Macatuba, SP 44 2.220,67 2.306,74 3.255,34 10,49 6.60%
Santo Inácio, PR 43 1.640,14 1.703,71 2.404,32 7,89 4.70%
Mococa, SP 44 1.720,80 1.787,49 2.522,56 8,12 4.60%
Cerquilho, SP 44 2.131,87 2.214,50 3.125,16 10,07 8.10%
Teotônio Vilela, AL 44 1.475,48 1.532,67 2.162,95 6,97 5.70%
Santa Rita, PB 44 1.733,74 1.800,94 2.541,54 8,19 6.50%
Ipojuca, PE 40 1.471,27 1.528,29 2.156,77 7,62 5.10%
Pontal, SP 44 1.756,59 1.824,67 2.575,04 8,29 6.80%
Catanduva, SP 44 2.363,31 2.454,90 3.464,43 11,16 5.10%
Tapiratiba, SP 44 1.448,65 1.504,80 2.123,62 6,84 4.60%
Campos dos Goytacazes, RJ 44 1.470,83 1.527,83 2.156,13 7,01 4.80%
Barra Bonita, SP 44 2.128,29 2.210,78 3.119,92 10,05 7.60%
Laranjeiras, SE 44 1.488,34 1.546,02 2.181,79 7,03 7.60%
Tarumã, SP 44 2.001,22 2.078,78 2.933,63 9,45 7.90%
Ourinhos, SP 44 2.305,63 2.394,99 3.379,89 10,89 5.00%

Os valores de piso salarial e porcentagem de dissídio referem-se a média observada em instrumentos coletivos registrados no sistema Mediador do Ministério do Trabalho e Emprego com abrangência na cidade ou na região e que citem a profissão de Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar. Instrumentos coletivos: Acordos, convenções ou dissídios coletivos.

Empresas que mais contratam Controlador da Velocidade de Equipamentos na Refinação de Açúcar no Brasil

Pisos salariais por setores das empresas
Segmento Piso Média Teto Dissídio 2024 (%)
Fabricação de açúcar em bruto 1.875,85 1.948,56 2.749,86 5.80%
Fabricação de álcool 2.059,99 2.139,83 3.019,80 6.70%
Fabricação de fermentos e leveduras 1.436,36 1.492,03 2.105,59 7.20%
Geração de energia elétrica 1.475,48 1.532,67 2.162,95 4.10%
Cultivo de cana-de-açúcar 2.893,96 3.006,12 4.242,32 5.30%
Fabricação de sucos concentrados de frutas, hortaliças e legumes 2.166,36 2.250,32 3.175,72 6.20%
Fabricação de outros produtos alimentícios 1.623,74 1.686,67 2.380,27 5.70%
Fabricação de aguardente de cana-de-açúcar 1.430,80 1.486,26 2.097,45 5.70%
Fabricação de açúcar de cana refinado 2.071,26 2.151,53 3.036,31 5.20%
Atividades de apoio à agricultura não especificadas anteriormente 1.861,20 1.933,33 2.728,38 6.40%
Limpeza em prédios e em domicílios 1.538,18 1.597,80 2.254,86 5.60%
Construção de edifícios 2.180,49 2.265,00 3.196,44 7.60%
Preparação de documentos e serviços especializados de apoio administrativo 2.117,92 2.200,00 3.104,71 4.90%
Fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para empresas 2.425,36 2.519,37 3.555,40 4.30%
Manutenção e reparação de outras máquinas e equipamentos para usos industriais 2.500,34 2.597,25 3.665,32 5.80%
Fabricação de sorvetes e outros gelados comestíveis 1.443,07 1.499,00 2.115,43 7.40%
Representantes comerciais e agentes do comércio de matérias-primas agrícolas e animais vivos 2.021,65 2.100,00 2.963,58 7.10%
Fabricação de laticínios 1.382,42 1.436,00 2.026,53 6.20%
Lanchonetes, casas de chá, de sucos e similares 1.455,59 1.512,00 2.133,78 6.30%
Comércio atacadista de produtos alimentícios em geral, com atividade de fracionamento e acondicionamento associada 1.909,97 1.984,00 2.799,88 7.70%
Fonte: Contratações formais indicadas pelas empresas ao sistema Novo CAGED e convenções coletivas patronais.