O dissídio de Operador de Plataforma (petróleo) 2024 já saiu. Veja aqui o salário mínimo, piso salarial e salário médio em todos os estados, capitais e principais cidades brasileiras de acordo com a convenção coletiva, acordo coletivo ou dissídio do sindicato de profissionais registrados em carteira com o CBO 711325 no cargo de Operador de Plataforma (petróleo).

Estado com maior salário médio

São Paulo

R$ 2.342,75

(últimos 12 meses)

Estado que mais contrata

Rio de Janeiro

1.212 admissões

(últimos 12 meses)

Cidade com maior salário médio

Niterói - RJ

R$ 3.107,29

Cidade que mais contrata

Macaé - RJ

676 admissões

Descrição sumária do cargo

O colaborador no cargo de Plataformista (petróleo) realiza operações na extração de petróleo e gás, executando o processamento primário de separação de óleo, água e gás Prepara materiais, acessórios e equipamentos para operação.

Executa conexão e desconexão de tubulações, montagem e desmontagem dos equipamentos e sistemas de perfuração e completação de poços Colabora em operações de pesquisa sísmica Cumpre normas técnicas e normas regulamentadoras de prevenção contra incêndio, de saúde e segurança no trabalho e de preservação ambiental.

O que faz um Operador de Plataforma (petróleo)

O Plataformista (petróleo) prepara materiais, acessórios e equipamentos para operação, em plataformas de exploração e produção de petróleo e gás, em terra (onshore) e no mar e sua camada pré-sal (offshore) Estabelece conexões e desconexões dos tubos nas operações de perfuração de poços, em plataformas de exploração e produção de petróleo e gás - em terra, mar e sua camada pré-sal -, observando métodos e técnicas de trabalho específicas de plataformas fixas apoiadas em terra e no fundo mar, flutuante e mistas.

Monta sondas de perfuração e de produção, equipamentos de segurança do poço, colunas de teste de formação e de produção.

Instala equipamentos na superfície e subsuperfície Desce e retira colunas de perfuração e colunas de tubos de produção.

Cimenta o poço Prepara e controla propriedades do fluído de perfuração e coleta amostras da formação geológica.

Testa equipamentos de proteção e controle e de monitoramento da coluna de perfuração, bem como os equipamentos de segurança do poço.

Realiza manutenção de chave flutuante, cunha, elevadores, colar de segurança e outros acessórios de manobra, bem como dos componentes da bomba de lama (fluid-end), tais como válvulas, camisas, pistões, sedes e módulos Realiza injeção de gás, água e vapor, instalando equipamentos para extração e monitorando a vazão do poço.

Substitui equipamentos, desobstrui a coluna de produção e injeta ácidos no poço para estimular a produção.

Monta equipamentos para provocar fratura na rocha Monitora o processo de condução dos minerais para área de armazenamento e coleta amostras para análise Realiza o processamento primário de separação de óleo, água e gás, estocando petróleo bruto.

Separa óleo e gás, óleo, água e impurezas, de acordo com a composição da reserva de recursos naturais Monitora o funcionamento dos equipamentos e coleta amostras do material processado Opera caldeiras, estação de compressores e bombas de fluidos.

Armazena petróleo tratado, gás natural e água residual Realiza inspeção visual nos dutos e transfere minerais através deles.

Mantém as tubulações e o convés principal limpos e arrumados Move a tubulação, usando guinchos e elevadores motorizados Guia guindastes para mover cargas sobre os conveses.

Arma a estrutura de madeira ou aço para erguer torres Corta e remove árvores para limpar locais de perfuração, reduzir riscos de incêndio e abrir caminho para estradas Cava buracos, define formas, mistura e despeja concreto em formas para fazer fundações para torres de madeira ou aço.

Colabora em operações de pesquisa sísmica, liberando as áreas de acesso junto aos proprietários, prestando esclarecimentos às comunidades locais e desenvolvendo atividades de apoio administrativo, de transporte, mecânico e de informática Realiza abertura de picadas e levantamento topográfico Perfura a área para colocação de explosivo e auxilia nos procedimentos de detonação.

Registra dados sísmicos e executa o retamponamento do solo da área perfurada Realiza pesquisa de opinião junto à comunidade da área perfurada Levanta os danos causados às propriedades para indenizações Utiliza meios de informação, consultando catálogos, manuais e procedimentos, acessando meios de comunicação diversificados Consulta histórico e arquivo do poço bem como o boletim diário de ocorrências.

Relata ocorrências de turnos Participa de reuniões de trabalho, emitindo comentários e opiniões Preenche formulário de liberação de equipamento para manutenção Desenvolve ações de segurança, participando de simulação de acidente e emergência e realizando testes dos equipamentos de segurança Inspeciona as condições dos equipamentos de proteção coletiva e utiliza os equipamentos de proteção individual Realiza as ações previstas no plano de contingência e interrompe o serviço em situação de risco Desenvolve ações preventivas para minimizar os impactos ambientais.

Funções do Plataformista (petróleo)

O profissional Operador de Plataforma (petróleo) deve ministrar treinamento no local de trabalho, demonstrar competências pessoais, avaliar Área perfurada, perfurar poços em terra e mar, utilizar meios de informação, realizar pesquisa sísmica, extrair minerais líquidos e gasosos, realizar o processamento primário de separação de Óleo, Água e gás, desenvolver ações de segurança, saúde ocupacional e meio ambiente.

Condições de trabalho da profissão

Trabalhadores da extração de minerais líquidos e gasosos trabalham em empresas de prospecção e extração de minerais líquidos e gasosos como petróleo, gás e água. São empregados assalariados e trabalham sob supervisão permanente. As atividades podem ocorrer ambientes a céu aberto, ambientes confinados e em grandes alturas, com exposição a materiais em tóxicos, radiação e altas temperaturas. Em algumas situações estão expostos a peso excessivo, vibrações e esforço repetitivo. A forma de organização do trabalho predominante é em equipe e com supervisão ocasional.

Exigências do mercado de trabalho para a profissão

Atividades exercidas por um Plataformista (petróleo)

Um Plataformista (petróleo) deve interromper o serviço em situação de risco, demonstrar motivação, realizar pesquisa de opinião junto à comunidade da área perfurada, realizar manutenção da bomba de lama ´fluid-end´ (válvulas, camisas, pistões, sedes, módulos), comunicar-se de forma clara e objetiva, montar equipamentos de segurança do poço, estabelecer conexões dos tubos durante a perfuração, monitorar a coluna de perfuração, manter-se atualizado, tomar decisões, registrar dados sísmicos, acessar meios de comunicação (sistema de fax, telefone, intranet, internet, vídeo conferência), separar óleo e gás, emitir formulário de liberação de equipamento para manutenção, inspecionar as condições de epc (equipamentos de proteção coletiva), instalar equipamentos para extração de minerais, consultar boletim diário de ocorrências, preparar fluidos de perfuração, participar de simulação de acidente e emergência, retirar coluna de perfuração, monitorar funcionamento dos equipamentos, montar coluna de teste de formação, emitir relatórios (produção, movimentação, equipamentos e anomalias), emitir comentários e opinião em reuniões, armazenar petróleo tratado, gás natural e água residual, realizar inspeção visual nos dutos, identificar padrões recomendados e procedimentos de segurança, coletar amostras da formação geológica, controlar propriedades do fluido da perfuração, colaborar com as revisões dos padrões, estocar petróleo bruto, utilizar epi (equipamentos de proteção individual), desobstruir coluna de produção, efetuar manutenção nos acessórios de manobra (chave flutuante, cunha, elevadores, colar de segurança), trabalhar em equipe, separar do óleo, água e impurezas, orientar a comunidade, operar caldeiras, estação de compressores e bombas de fluidos, injetar ácidos no poço para estimular a produção, cimentar o poço, coletar amostras para análise, estaleirar (reunir) coluna na torre de perfuração, levantar os danos causados as propriedades para indenizações, retirar coluna de tubos de produção, testar equipamentos de segurança do poço, realizar abertura de picada, trocar experiências, realizar injeção de gás, água, vapor, desenvolver ações preventivas para minimizar os impactos ambientais, instalar equipamento na superfície e subsuperfície, relatar ocorrências de turnos, proceder detonação, montar coluna de produção, perfurar área para colocação de explosivos, montar equipamentos para provocar fratura na rocha, realizar testes dos equipamentos de proteção e controle do poço, transferir minerais através de dutos, montar sonda de produção, montar sonda, monitorar o processo de condução dos minerais para área de armazenamento, realizar levantamento topográfico, retamponar o solo da área perfurada, descer coluna de tubos de produção, confirmar recebimento de mensagens encaminhadas, desenvolver a criatividade, consultar histórico e arquivo do poço, substituir equipamento no poço, descer coluna de perfuração, realizar testes dos equipamentos de segurança, liberar as áreas de acessos junto aos proprietários, coletar amostras do material processado, consultar catálogos, manuais e procedimentos, lidar com situações de risco e anormalidades, realizar coleta seletiva de lixo, desenvolver atividades de apoio (administrativa, transporte, mecânica, informática), realizar as ações previstas no plano de contingência (averiguação das condições de funcionamento par, prestar esclarecimentos às comunidades locais, desmontar a sonda, monitorar vazão do poço.

Aumento do piso salarial e reajuste 2024 da categoria

O reajuste salarial 2024 para Operador de Plataforma (petróleo) ficou em 5.50%, obedecendo os índices de inflação do INPC - Índice Nacional de Preços ao Consumidor no período de um ano, esse é o critério para estipular o piso salarial 2024 e o início das negociações salariais entre o sindicato dos trabalhadores no cargo de Operador de Plataforma (petróleo) e os sindicatos patronais.

Em algumas localidades houve aumento real do salário, ou seja, acima do índice de correção salarial e acima até mesmo do reajuste médio da categoria dos Trabalhadores da extração de minerais líquidos e gasosos que ficou em 5.50% para 2024.

Uma observação importante é que nem sempre o aumento salarial do Operador de Plataforma (petróleo) em 2024 está atrelado a acordos e convenções coletivas, o salário base pode ser estipulado de acordo com o salário mínimo 2024 ou o piso salarial mínimo regional se houver.

Reajuste e valor do vale refeição 2024

O reajuste médio do vale refeição 2024 para Operador de Plataforma (petróleo) ficou em 3.20% de acordo com acordos coletivos, convenções coletivas e dissídios registrados no Sistema de Negociações Coletivas de Trabalho do SRT - Subsecretaria de Relações do Trabalho.

Com isso o valor médio do vale refeição para 2024 observado em instrumentos coletivos de todo Brasil ficou em R$ 22,00 por dia efetivamente trabalhado.

Como é feito o cálculo dos reajustes e pisos salariais dos Trabalhadores da extração de minerais líquidos e gasosos 2024

O salário de Operador de Plataforma (petróleo) mostrado aqui é resultado do levantamento de 2787 salários em admissões de empresas de todo o Brasil em 2024, além de dissídios, convenções e acordos coletivos da categoria em sindicatos nacionais ou regionais de Trabalhadores da extração de minerais líquidos e gasosos que foram registrados no sistema Mediador da Secretaria da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, que registra os instrumentos coletivos.

Encontre o seu estado logo abaixo e saiba quanto ganha um Operador de Plataforma (petróleo) com salários atualizados em 2024. A ordem dos salários obedece a sigla dos estados em ordem alfabética. Confira:

Dissídio salarrial de Operador de Plataforma (petróleo) CBO 711325 salário

Valor do salário na CCT 2024 de Operador de Plataforma (petróleo) em todos os estados

Dados de dissídios coletivos para Operador de Plataforma (petróleo) por estado
UF Jornada Piso Média Teto Sal/Hora Dissídio 2024 (%)
Rio de Janeiro 40h 1.959,42 2.035,36 2.872,36 10,23 6.30%
Bahia 37h 1.485,61 1.543,19 2.177,80 8,29 7.60%
Rio Grande do Norte 36h 1.549,92 1.609,99 2.272,07 9,06 8.10%
São Paulo 44h 2.255,34 2.342,75 3.306,16 10,67 8.10%
Sergipe 36h 1.312,25 1.363,11 1.923,66 7,66 5.90%
Espírito Santo 38h 1.538,72 1.598,35 2.255,64 8,47 6.30%
Mato Grosso do Sul 44h 1.982,62 2.059,46 2.906,38 9,36 5.80%
Alagoas 39h 1.890,10 1.963,35 2.770,74 10,12 6.70%
Paraná 44h 2.251,49 2.338,75 3.300,52 10,63 7.00%
Amazonas 37h 1.351,51 1.403,89 1.981,22 7,54 5.20%
Ceará 44h 1.495,41 1.553,36 2.192,15 7,06 7.00%
Maranhão 37h 1.344,61 1.396,72 1.971,10 7,57 8.10%
Goiás 44h 1.996,74 2.074,12 2.927,07 9,43 4.20%

Fonte: Dados CAGED, PNAD e instrumentos coletivos registrados no sistema Mediador do Ministério do Trabalho e Emprego que mencionem a profissão de Operador de Plataforma (petróleo).

Dissídio de Operador de Plataforma (petróleo) por cidade

Quanto ganha um Operador de Plataforma (petróleo) nas principais cidades

Salários segundo dados do CAGED e instrumentos coletivos registrados que citem a profissão de Operador de Plataforma (petróleo) na localidade
Cidade Carga Horária Piso Salarial Média Salarial Maior Salário Sal/Hora Dissídio 2024 (%)
Macaé, RJ 39 2.099,97 2.181,36 3.078,39 11,09 5.80%
Catu, BA 33 1.394,10 1.448,13 2.043,64 8,71 8.10%
Rio de Janeiro, RJ 40 1.760,85 1.829,09 2.581,27 9,25 5.80%
Rio das Ostras, RJ 41 1.631,28 1.694,50 2.391,33 8,35 5.00%
Mossoró, RN 35 1.536,16 1.595,70 2.251,90 8,99 7.10%
Pojuca, BA 41 1.476,48 1.533,70 2.164,40 7,39 8.20%
Carmopolis, SE 36 1.306,92 1.357,58 1.915,85 7,47 4.30%
São Mateus, ES 37 1.457,09 1.513,56 2.135,98 8,24 7.60%
Araraquara, SP 44 2.216,30 2.302,19 3.248,92 10,46 5.90%
São Paulo, SP 44 2.117,46 2.199,52 3.104,03 10,04 4.80%
Areia Branca, RN 36 1.303,70 1.354,23 1.911,13 7,52 6.00%
Mata de São Joao, BA 42 1.318,66 1.369,77 1.933,06 6,58 7.40%
Ponta Pora, MS 44 1.846,76 1.918,33 2.707,21 8,72 7.00%
Niterói, RJ 44 2.991,35 3.107,29 4.385,09 14,22 7.30%
Pilar, AL 36 1.338,28 1.390,15 1.961,81 7,72 8.00%
São Sebastiao do Passe, BA 40 1.439,75 1.495,56 2.110,57 7,51 5.30%
Garça, SP 44 2.310,93 2.400,49 3.387,65 10,91 7.40%
Macau, RN 34 1.974,22 2.050,73 2.894,05 11,95 4.40%
Manaus, AM 37 1.351,51 1.403,89 1.981,22 7,54 6.00%
Serra, ES 44 1.579,08 1.640,28 2.314,81 7,46 4.30%
Maringá, PR 44 2.379,46 2.471,68 3.488,11 11,23 5.10%
Paracuru, CE 44 1.495,46 1.553,42 2.192,23 7,06 5.10%
Aracaju, SE 28 1.364,85 1.417,75 2.000,77 10,13 7.10%
Alagoinhas, BA 40 1.324,06 1.375,38 1.940,97 6,88 4.90%
Capela, AL 44 2.920,16 3.033,33 4.280,73 13,79 7.40%
Boa Esperança do Sul, SP 44 2.141,85 2.224,87 3.139,80 10,11 5.30%
Paulínia, SP 44 2.447,67 2.542,53 3.588,10 11,56 4.90%
Trizidela do Vale, MA 36 1.346,73 1.398,93 1.974,21 7,77 4.60%
Salvador, BA 44 4.292,85 4.459,23 6.293,00 20,27 6.30%
Curitiba, PR 44 2.289,20 2.377,92 3.355,80 10,81 4.80%

Os valores de piso salarial e porcentagem de dissídio referem-se a média observada em instrumentos coletivos registrados no sistema Mediador do Ministério do Trabalho e Emprego com abrangência na cidade ou na região e que citem a profissão de Operador de Plataforma (petróleo). Instrumentos coletivos: Acordos, convenções ou dissídios coletivos.

Empresas que mais contratam Operador de Plataforma (petróleo) no Brasil

Pisos salariais por setores das empresas
Segmento Piso Média Teto Dissídio 2024 (%)
Atividades de apoio à extração de petróleo e gás natural 1.681,43 1.746,59 2.464,84 5.00%
Perfuração e construção de poços de água 2.263,34 2.351,06 3.317,89 4.30%
Manutenção e reparação de máquinas e equipamentos para a prospecção e extração de petróleo 1.719,88 1.786,53 2.521,21 5.60%
Locação de mão-de-obra temporária 2.137,76 2.220,61 3.133,80 5.10%
Extração de petróleo e gás natural 1.616,39 1.679,04 2.369,51 5.00%
Perfurações e sondagens 1.312,10 1.362,95 1.923,44 7.50%
Construção de redes de abastecimento de água, coleta de esgoto e construções correlatas, exceto obras de irrigação 1.891,37 1.964,67 2.772,60 7.30%
Seleção e agenciamento de mão-de-obra 1.750,96 1.818,83 2.566,78 6.10%
Comércio atacadista de álcool carburante, biodiesel, gasolina e demais derivados de petróleo, exceto lubrificantes, não realizado por transportador re 2.414,48 2.508,06 3.539,45 6.00%
Atividades de limpeza não especificadas anteriormente 2.502,99 2.600,00 3.669,20 4.40%
Obras de montagem industrial 1.579,08 1.640,28 2.314,81 6.50%
Serviços combinados de escritório e apoio administrativo 1.570,23 1.631,09 2.301,84 8.10%
Serviços de usinagem, tornearia e solda 1.802,15 1.872,00 2.641,82 5.90%
Comércio atacadista de máquinas e equipamentos para uso industrial 1.825,55 1.896,30 2.676,11 6.80%
Atividades de estudos geológicos 2.920,16 3.033,33 4.280,73 4.20%
Navegação de apoio marítimo 2.039,68 2.118,73 2.990,01 6.10%
Aluguel de máquinas e equipamentos para construção sem operador, exceto andaimes 2.021,65 2.100,00 2.963,58 7.90%
Transporte rodoviário de carga, exceto produtos perigosos e mudanças, intermunicipal, interestadual e internacional 1.836,81 1.908,00 2.692,63 4.20%
Serviços de engenharia 3.185,51 3.308,97 4.669,72 7.00%
Tratamentos térmicos, acústicos ou de vibração 6.942,59 7.211,67 10.177,32 7.80%
Fonte: Contratações formais indicadas pelas empresas ao sistema Novo CAGED e convenções coletivas patronais.